quarta-feira, 6 de junho de 2012

Saiba mais sobre a crise do Segundo Reinado


Teste seus conhecimentos sobre a crise do Segundo Reinado


1. (UFPR) Quais foram as principais questões que contribuíram para a desagregação da ordem imperial e consequente proclamação da República no Brasil?

 resposta: 
A desagregação da ordem imperial no Brasil foi fruto do descontentamento da elite agrária com a abolição da escravatura, de membros da Igreja com a intervenção do Imperador nos assuntos religiosos e dos militares, a maioria republicana e abolicionista.

2. (G1) Sobre a crise do Império, explique:
a) A questão religiosa.
b) A questão militar.
c) A questão da abolição.


resposta:
a) Questão religiosa: perda de prestígio do governo imperial junto ao clero.
b) Questão militar: confronto entre a Monarquia e o Exército que culminou no apoio deste último à causa republicana.
c)  Questão abolicionista: insatisfação dos setores escravocratas com o governo monárquico após a Lei Áurea.

3. (Mackenzie) Sobre o contexto histórico responsável pela proclamação da República NÃO se inclui:
a) a insatisfação dos setores escravocratas com o governo monárquico após a Lei Áurea.
b) a ascensão do exército após a Guerra do Paraguai, passando a exigir um papel na vida política do país.
c) a perda de prestígio do governo imperial junto ao clero, após a questão religiosa.
d) a oposição de grupos médios urbanos e fazendeiros do oeste paulista, defensores de maior autonomia administrativa.
e) o alto grau de consciência e participação das massas urbanas em todo o processo da proclamação da República.


resposta:[E]


4. (Ufscar) A questão religiosa iniciada em 1872, considerada um dos fatores da proclamação da República, opôs os bispos de Olinda e do Pará à monarquia de Pedro II. Confrontando à determinação do Estado brasileiro, o bispo Dom Vital manteve-se intransigente, afirmando que o governo imperial, em lugar de "conformar-se com o juízo do Vigário de Jesus Cristo, como cumpria ao governo de um país católico, pretende que, rejeitando este juízo irrefragável, eu reconheça o dele, nesta questão religiosa, e o considere acima do juízo infalível do Romano Pontífice..."
(Citado por Brasil Gerson, "O regalismo brasileiro". RJ: Cátedra, 1978, p. 196.)

Esta posição do bispo de Olinda, D. Vital Maria de Oliveira, exprime
a) a concepção de que o poder temporal emana de Deus e de que deve ser absoluto.
b) o dogma da infalibilidade do papa e o esforço de romanização do clero brasileiro.
c) a proibição papal de participação dos católicos nas questões políticas e sociais.
d) a noção de que o poder da Igreja é político e de que o papa deve ser obedecido.
e) o dogma segundo o qual a salvação depende dos decretos infalíveis do papa.


resposta:[B]

5. (Pucpr) Na conjuntura do II Reinado Brasileiro, têm destaque, no quadro da Proclamação da República:
I- Interferência Inglesa na Política Imperial.
II- Abolição da Escravatura
III- Questão Militar
IV- Questão Religiosa
V- Pressão do Setor Industrial Urbano

Estão corretas:
a) apenas I e IV.
b) apenas I e III.
c) apenas II, III e IV.
d) apenas III, IV e V.
e) apenas I, III e V.


resposta:[C]

6. (Pucpr) Dentre as causas da proclamação da República em 15-11-1889, NÃO é correto afirmar:
a) Ocorria descontentamento nos quartéis, em decorrência da Questão Militar.
b) Ocorria indiferença da Igreja Católica ante a sorte da monarquia, originária da Questão Religiosa e prisão anterior dos Bispos de Olinda e de Belém do Pará.
c) Os fazendeiros ou cafeicultores da Província do Rio de Janeiro estavam irritados, pois perderam todos os seus escravos em decorrência da Lei Áurea.
d) A influência da filosofia positivista estava presente, principalmente entre a jovem oficialidade do exército.
e) A oficialidade da marinha de guerra era tão republicana quanto à do exército, visto ter a mesma origem social popular e até humilde.


resposta:[E]

7. (UFMG) Observe a charge de Bordalo Pinheiro, publicada em "O Mosquito", em setembro de 1875. Ela expressa:

a) a punição exemplar do Papa Pio IX ao Regente do Trono, que, desrespeitando as determinações do Vaticano, decretou plena liberdade de culto no Brasil.
b) o ressentimento do clero católico contra o imperador, que resolveu pôr fim à união Igreja-Estado, assegurada pela Constituição outorgada, em 1824, por D. Pedro I.
c) a atitude de fraqueza de D. Pedro II perante o representante máximo da Igreja Católica, que o obrigou a renunciar definitivamente ao direito de exercer o Padroado.
d) o impasse político criado pela Questão Religiosa, que abalou a relação entre Igreja-Estado, apesar da anistia concedida pelo Imperador D.Pedro II aos bispos rebeldes.

resposta:[D]

8. (UFRS) Observe a gravura a seguir.
A charge faz referência à chamada "Questão Religiosa", ocorrida durante o Segundo Reinado. Essa disputa entre o Estado Imperial e a Igreja Católica aconteceu devido à
a) rejeição, pelo governo, dos dispositivos da bula Syllabus , baixada pelo papa Pio IX, que proibia a permanência de membros da maçonaria dentro dos quadros da Igreja.
b) adesão do governo de Dom Pedro I aos tratados de livre comércio de escravos, o que era condenado pela Santa Sé, com base em argumentos de cunho moral.
c) rejeição da encíclica Rerum Novarum , baixada pelo papa Leão XIII, que defendia a coexistência harmoniosa do capital e do trabalho, no sentido de evitar a luta de classes.
d) adesão do governo imperial aos ditames do Tratado de Latrão, que limitava os poderes da Igreja expressos na instituição do Padroado.
e) recusa do governo de Dom Pedro II em aceitar as manobras parlamentares dos deputados católicos, visando à extinção do direito do Padroado.

resposta:[A]

9. (Cftce) Foi fator para a Crise do Império no Brasil:
a) a modernização política do país, com a adoção do Parlamentarismo segundo o modelo inglês
b) a Questão Religiosa
c) a reforma constitucional através do Ato Adicional de 1834
d) a crise econômica no final do 2¡. Reinado denominada de encilhamento
e) o desentendimento diplomático com a Inglaterra


resposta:[B]

10. (Unesp) No processo histórico brasileiro, de uma maneira ou de outra, os militares atuaram nos momentos de crise política. Entre 1870 e 1889, a monarquia passou por um processo de crescente instabilidade política, até sua queda definitiva. Esclareça o que foi a Questão Militar no período mencionado.


resposta:
 
A Questão Militar foi uma sucessão de conflitos entre 1884 e 1887, suscitados pelos embates entre oficiais do Exército Brasileiro e a monarquia, conduzindo a uma grave crise política que culminou com o fortalecimento da campanha republicana. Foi uma das questões que assinalaram a crise do regime imperial no Brasil, conduzindo à proclamação da República em 1889.

11. (Fuvest) O descontentamento do Exército, que culminou na Questão Militar no final do Império, pode ser atribuído:
a) às pressões exercidas pela Igreja junto aos militares para abolir a monarquia.
b) à propaganda do militarismo sul-americano na imprensa brasileira.
c) às tendências ultrademocráticas das forças armadas, que desejavam conceder maior participação política aos analfabetos.
d) à ambição de iniciar um programa de expansão imperialista na América Latina.
e) à predominância do poder civil que não prestigiava os militares e lhes proibia o debate político pela imprensa.


resposta:[E]


12. (Fuvest) Quintino Bocaiúva, pouco antes da proclamação da República, disse: "Sem a força armada ao nosso lado, qualquer agitação de rua seria não só um ato de loucura... mas principalmente uma derrota de rua antecipada." A propósito da participação dos militares na Proclamação da República, pode-se afirmar que:
a) o Republicanismo era um movimento uniforme, articulado em torno de proposições como a de uma aliança sólida e permanente com os militares.
b) Silva Jardim e Benjamim Constant eram partidários de uma revolução popular, apoiada pelos militares, visando universalizar a cidadania.
c) a pluralidade de propostas políticas e sociais existente se traduzia em divergências variadas, como o papel dos militares na eclosão do movimento.
d) revela o desinteresse de todas as lideranças do exército com relação à questão da cidadania, da adesão popular e da participação democrática.
e) o Republicanismo brasileiro foi inspirado pelos EUA, onde os militares desempenharam um papel preponderante na criação do Regime Republicano.


resposta:[C]

13. (Mackenzie) Sobre a participação dos militares na Proclamação da República é correto a que:
a) o Partido Republicano foi influenciado pelos imigrantes anarquistas a desenvolver a consciência política no seio do exército.
b) a proibição de debates políticos e militares pela imprensa, a influência das idéias de Augusto Comte e o descaso do Imperador para com o exército favoreceram a derrubada do Império.
c) o descaso de membros do Partido Republicano, como Sena Madureira e Cunha Matos, em relação ao exército, expresso através da imprensa, levou os "casacas" a proclamar a República.
d) o Gabinete do Visconde de Ouro Preto formalizou uma aliança pró-republicana com os militares positivistas no Baile da Ilha Fiscal.
e) a aliança dos militares com a lgreja acirrou as divergências entre militares e republicanos, culminando na Questão Militar.


resposta:[B]

14. (Puccamp) Pode-se considerar o Exército como força política influente no movimento Republicano porque
a) seus integrantes, tendo origens, predominantemente na classe média, o indispunham à vigência de um Estado monárquico identificado com as camadas populares da sociedade.
b) seus oficiais, quase todos pertencentes à Maçonaria, solidarizaram-se com os bispos envolvidos na chamada Questão Religiosa, agudizando a crise política deflagrada contra o Imperador.
c) o declínio do prestígio dos militares após a Guerra do Paraguai, tornava seus oficiais críticos inexpressivos dos privilégios concedidos à Guarda Nacional.
d) seus oficiais mostraram-se descontentes com a recusa do Imperador em incorporá-los ao processo de repressão organizada contra a rebeldia negra.
e) a influência do Positivismo entre os jovens oficiais imprimiu o ideal de uma República militar como base do progresso nacional, em oposição ao governo corrupto dos "casacas".


resposta:[E]


15. (Unicamp) Após a proclamação da República, uma nova bandeira nacional foi criada para substituir a antiga bandeira do Império. O lema da nova bandeira era Ordem e Progresso.
a) Por que o governo republicano determinou que se substituísse a antiga bandeira?
b) Explique por que, naquele momento, era importante para o governo republicano demonstrar sua preocupação com a ordem pública e seu compromisso com o progresso.


resposta:
a) Para simbolizar um novo regime.
b) Para mostrar sua preocupação com a ordem e o progresso do país, demonstrando as vantagens do nosso regime e garantir á todos de que houve mudança.


16. (Mackenzie) O povo assistiu aquilo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava. Muitos acreditavam sinceramente estar vendo uma parada. Aristides Lobo O texto refere-se à Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889. Podemos, então, concluir que:
a) o movimento contou com sólido apoio popular, luta armada e resistência violenta dos monarquistas.
b) a proclamação vitoriosa resultou da conjugação de parte do exército, fazendeiros do oeste paulista e classes médias urbanas.
c) a Guerra do Paraguai não teve relação com o crescimento das idéias republicanas e positivistas, fundamentais para o advento da república.
d) o Terceiro Reinado era visto de forma positiva e otimista pela população, já que a Princesa Isabel tinha uma liderança expressiva, apesar dos valores patriarcais da época.
e) as críticas à centralização monárquica e o surgimento de novos segmentos sociais não tiveram influência no sucesso do movimento republicano.


resposta:[B]

17. (Uff) A segunda metade do século XIX foi marcada pelo apogeu do cientificismo no mundo ocidental. A Ciência transformava-se na panacéia para todos os males, capaz de indicar soluções para tudo, inclusive prever, controlar e disciplinar os homens e seus comportamentos. Desde o evolucionismo de Darwin até o positivismo de Augusto Comte, a idéia de progresso servia como "bússola" no caminho da modernidade. À luz dessas informações, indique a opção que define o contexto de introdução das idéias positivistas no Brasil.
a) O Positivismo ganhou destaque no Brasil ao penetrar na Escola Militar do Rio de Janeiro, que preparava jovens oficiais com vistas à abolição da escravidão e à implantação do regime republicano.
b) O Positivismo penetrou no Brasil através da visita de uma missão militar inglesa ao país, atingindo seu apogeu com a proclamação da República por Deodoro da Fonseca, um de seus principais líderes.
c) A idéia de progresso contida no Positivismo baseava-se na crença em um estágio superior da evolução humana a ser atingido, no caso do Brasil, quando toda a população do país fosse alfabetizada e gozasse de cidadania política.
d) O Positivismo difundiu-se no Brasil, sobretudo através da juventude militar formada pela Escola da Praia Vermelha, que valorizava o mérito individual e acreditava na Ciência Positiva como religião da humanidade, em oposição ao catolicismo.
e) A difusão do Positivismo no Brasil deveu-se à sua penetração no Exército, envolvendo tanto a juventude militar, quanto suas lideranças formadas pelos oficiais de alta patente, dentre eles, Deodoro da Fonseca e Caxias.


resposta:[D]


18. (Uerj) Um dos documentos mais curiosos para a história da grande data de 15 de novembro consiste, a nosso ver, no aspecto inalterável da rua do Ouvidor, nos dias 15, 16 e 17, onde, a não ser a passagem das forças e a maior animação das pessoas, dir-se-ia nada ter acontecido. Tão preparado estava o nosso país para a República, tão geral foi o consenso do povo a essa reforma, tão unânimes as adesões que ela obteve, que a rua do Ouvidor, onde toda a nossa vida, todas as nossas perturbações se refletem com intensidade, não perdeu absolutamente o seu caráter de ponto de reunião da moda. (Adaptado de THOME,J. "Crônica do chic". 1889. Apud PRIORE,M.D.et alli. Documentos de História do Brasil de Cabral aos anos 90. São Paulo: Scipione, 1997.) "Em frase que se tornou famosa, Aristides Lobo, o propagandista da República, manifestou seu desapontamento com a maneira pela qual foi proclamado o novo regime. Segundo ele, o povo, que pelo ideário republicano deveria ter sido protagonista dos acontecimentos, assistira a tudo bestializado, sem compreender o que se passava, julgando ver uma parada militar."
(CARVALHO, J.M. "Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.)

Nos textos apresentados, encontram-se as opiniões de dois observadores do fim do século XIX - José Thome e Aristides Lobo - a respeito da Proclamação da República. A divergência entre as posições dos autores sobre o evento refere-se ao seguinte aspecto:
a) ideário republicano
b) reação da população
c) caráter elitista do movimento
d) caracterização política do regime


resposta:[B]


19.(UFRS) Leia o seguinte texto. "É um engano supor que o golpe de Estado de 15/11/1889 foi a materialização de um projeto de utopia, lentamente amadurecido por duas décadas de ação republicana. Talvez seja mais prudente supor que a relevância da propaganda republicana se deve, apenas, ao fato de que se proclamou uma república, que lhe reivindicou como memória".
(Fonte: Lessa, Renato. "A invenção republicana". 1 988, p. 38.)

Levando em consideração o texto acima, analise as seguintes afirmativas sobre as motivações e os desdobramentos da proclamação da República no Brasil (15.11.1889).
I - Uma das principais causas do golpe foi a insatisfação de diversos segmentos da oficialidade militar, notadamente de alguns veteranos da Guerra do Paraguai e da "mocidade militar" da Escola Militar da Praia Vermelha.
II - Após o golpe, o governo de Deodoro foi extremamente pacífico, apesar das disputas entre as diversas correntes republicanas (liberais, conservadores e girondinos).
III - Ao contrário da proclamação da Independência em 1822, a proclamação da República foi um movimento que, apesar de liderado pelos militares, teve ampla e expressiva participação de setores populares, que formaram milícias nas principais cidades brasileiras.

Quais estão corretas?
a) Apenas I.
b) Apenas I e II.
c) Apenas I e III.
d) Apenas II e III.
e) I, II e III.


resposta:[A]


20. (UFPE) Sobre o papel dos militares no cenário que antecedeu a Proclamação da República no Brasil, analise as afirmações abaixo.
1) Mudanças na estrutura social do exército, ao longo do século XIX, deixaram a liderança dessa instituição e a elite aristocrática brasileira afastadas. Dessa forma, faltou à monarquia o apoio do exército.
2) Os baixos salários, as péssimas condições em que atuavam os militares brasileiros, nas guerras que o Império promoveu, e questões ideológicas relativas à escravidão levaram os militares a apoiar os ideais republicanos.
3) Militares do Exército fundaram o Clube Militar, que era uma associação corporativista permanente, para defender a abolição, o fim da Guerra do Paraguai e a República.
4) Os militares liderados por Caxias, o mais bem sucedido dos generais brasileiros, organizaram um ataque, pela imprensa, às instituições monárquicas, com vistas à proclamação da República.
5) As crises entre os militares e o governo brasileiro, a partir de 1883, foram conseqüência de uma insatisfação geral, em relação à participação daqueles militares na vida social e política do Brasil: os militares estavam proibidos de se pronunciarem através da imprensa e eram transferidos de uma região para outra, por questões políticas.

Estão corretas apenas:
a) 3, 4 e 5
b) 1, 2 e 5
c) 1, 2, 4 e 5
d) 1, 3 e 5
e) 2, 3 e 4


resposta:[B]

21. (Uerj)

(Caricatura de Angelo Agostini (1888). In: NABUCO, Joaquim. Um estadista do Império. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.)

A caricatura acima procura demonstrar o clima político existente no final do império do Brasil, quando da abolição da escravatura em 1888. A melhor interpretação da conjuntura política, que levou à deposição do imperador Pedro II, é:
a) existência de conflitos entre republicanos e militares, que possuíam uma posição antiabolicionista
b) tensões nos setores pobres e excluídos da população urbana, que temiam o retorno da escravidão com a República
c) perda de apoio de parte das elites proprietárias de escravos e terras, que se sentiu traída pela abolição da escravatura
d) críticas da imprensa abolicionista e republicana, que responsabilizava os proprietários de terras pela manutenção da escravidão

 
resposta:[C]

 
22. (PITÁGORAS) 
 Ficheiro:Figueiredo-baile-MHN.jpg
 
Baile da Ilha Fiscal (óleo sobre tela, Francisco Figueiredo, Museu Histórico Nacional)
Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Baile_da_Ilha_Fiscal. Acesso em novembro de 2009.

No sábado, dia 09 de novembro de 1889, os salões do Palácio da Ilha Fiscal, na entrada da Baía de Guanabara foram palco do baile mais extraordinário promovido pelo Império. Foi também o último, o apagar das luzes da monarquia no Brasil, realizado apenas seis dias antes que as forças republicanas instaurassem no país a nova ordem.

D. Pedro II quando entrava pelo tapete vermelho tropeçou. Amparado por dois jornalistas, não chegou a cair. Espirituoso, teria dito: “Como vêem, a Monarquia escorregou, mas não caiu”.
VAINFAS, Ronaldo. Dicionário do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Editora Objetiva,2002      
O Baile da Ilha Fiscal ficou conhecido como o símbolo do final da Monarquia. A crise da Monarquia é decorrente, dentro outros fatores:
a) da pressão da maioria da população brasileira para que se rompessem os entraves ao progresso e fossem garantidas as liberdades individuais.
b) do conflito político entre os Partidos Liberal e Conservador, sobretudo em relação ao excesso de impostos cobrados pelo governo imperial.
c) do  descontentamento da elite agrária com a abolição da escravatura, de membros da Igreja com a intervenção do Imperador nos assuntos religiosos e dos militares, a maioria republicana e abolicionista.
d) da visão negativa que o povo mantinha do Imperador, responsabilizando-o pelas revoltas constantes que ameaçavam a integridade do território nacional.


resposta:[C]
 
23. (Uern 2011) Observe a figura apresentada:

 
EL REY, NOSSO SENHOR E AMO, DORME O SONNO DA... INDIFERENÇA.  OS JORNAIS, QUE DIARIAMENTE TRAZEM OS DESMANDOS DESTA  SITUAÇÃO, PARECEM PRODUZIR EM S.M. O EFEITO DE UM  NARCÓTICO. BEM AVENTURADO SENHOR! PARA VÓS O REINO DO  CÉO E PARA O NOSSO POVO... O DO INFERNO!                                    
(Ângelo Agostini. 1887. El Rey – Nosso Senhor e Amo. Jpg)

A Proclamação da República no Brasil, em 1889, está ligada a uma série de transformações  econômicas, sociais e políticas ocorridas a partir de 1870. Sobre os últimos anos do Império, pode-se  afirmar:
a) Em 1870, a criação do Partido Republicano significou o fim dos Partidos Liberal e Conservador. A partir de então, a propaganda republicana passou a veicular livremente nos jornais, criticando as atitudes do imperador.
b) A charge de Ângelo Agostini coloca a figura de D. Pedro II cansado e distanciado do mundo político e, por isso, considerado extremamente conservador e lento nas decisões que trariam a eliminação do tráfico de escravos.
c) Os conflitos entre a Igreja e o Estado, envolvendo o Regime do Padroado e a questão da maçonaria tiveram um resultado satisfatório com o decreto do Imperador criando o Estado laico.
d) O fim da Guerra do Paraguai trouxe o fortalecimento do Exército que, com a influência das ideias positivistas, passou a defender a instauração de um governo republicano.


resposta :[D]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário