domingo, 10 de junho de 2012

Roteiro de estudo: Civilização egípcia


 Resumo sobre os povos da Antiguidade Oriental





Lista de exercícios sobre o Egito Antigo

1. (ENEM 2009) O Egito é visitado anualmente por milhões de turistas de todos os quadrantes do planeta, desejosos de ver com os próprios olhos a grandiosidade do poder esculpida em pedra há milênios: as pirâmides de Gizeh, as tumbas do Vale dos Reis e os numerosos templos construídos ao longo do Nilo.

O que hoje se transformou em atração turística era, no passado, interpretado de forma muito diferente, pois
a) significava, entre outros aspectos, o poder que os faraós tinham para escravizar grandes contingentes populacionais que trabalhavam nesses monumentos.
b) representava para as populações do alto Egito a possibilidade de migrar para o sul e encontrar trabalho nos canteiros faraônicos.
c) significava a solução para os problemas econômicos, uma vez que os faraós sacrificavam aos deuses suas riquezas, construindo templos.
d) representava a possibilidade de o faraó ordenar a sociedade, obrigando os desocupados a trabalharem em obras públicas, que engrandeceram o próprio Egito.
e) significava um peso para a população egípcia, que condenava o luxo faraônico e a religião baseada em crenças e superstições.

resposta:[A]


As pirâmides, tumbas e templos na Antiguidade Oriental representavam também a autoridade e o poder dos governantes, sempre associados a divindades. Tal estrutura política denomina-se Teocracia.
No Egito Antigo, os faraós usavam seu poder para subjugar a população e eventualmente escravizar povos conquistados.
Cabe ressaltar que, na civilização egípcia, a principal forma de trabalho era a servidão coletiva.

2. (UNIFESP) A arte do Egito Antigo, além de estar inteiramente ligada às crenças religiosas, apresenta muitas informações sobre a sociedade da época.

a) Qual fator geográfico propiciava, numa região cercada por deserto, a atividade produtiva representada pela imagem?
b) Que significado religioso tinha para os egípcios a representação de cenas da vida cotidiana nos túmulos?


resposta:

a) a presença do Rio Nilo. É celebre a frase do historiador grego Heródoto, “O Egito é uma dádiva do Nilo”, que procura sintetizar a importância do rio para a produção na região. O processo de cheias e vazantes bastante regular garantia a fertilização da terra e água em abundância para as comunidades camponesas.
b) Um dos fundamentos da religiosidade egípcia era a crença na vida após a morte. Por isso havia uma grande preocupação com os rituais de passagem e com a próxima vida. Nos túmulos eram representadas cenas do cotidiano e colocados objetos pessoais que parte da preparação para a vida eterna.

3. (UFRS 2011) Na África, durante a Antiguidade, entre 3000 a.C. e 322 a.C., desenvolveu-se o primeiro Império unificado historicamente  conhecido, cuja longevidade e continuidade ainda despertam a atenção de arqueólogos e historiadores.

Esse império
a) legou a humanidade códigos e compilações de leis.
b) desenvolveu a escrita alfabética, dominada por amplos setores da sociedade.
c) retinha parcela insignificante do excedente econômico disponível.
d) sustentou a crença de que o caráter divino dos reis se transmitia exclusivamente pela via paterna.
e) dependia das cheias do rio Nilo para a prática da agricultura.



resposta:[E]
Esse enunciado refere-se ao Egito, Estado Teocrático organizado por volta de 3200 a.C., a partir de comunidades de camponeses estabelecidas ao longo do rio Nilo. O Egito desenvolveu uma economia agrária extremamente dependente do regime de cheias e vazantes do rio, daí ser considerado uma sociedade hidráulica.


4. (ENEM 2008) Ao visitar o Egito do seu tempo, o historiador grego Heródoto (484 – 420/30 a.C.) interessou-se por fenômenos que lhe pareceram incomuns, como as cheias regulares do rio Nilo. A propósito do assunto, escreveu o seguinte:

“Eu queria saber por que o Nilo sobe no começo do verão e subindo continua durante cem dias; por que ele se retrai e a sua corrente baixa, assim que termina esse número de dias, sendo que permanece baixo o inverno inteiro, até um novo verão. Alguns gregos apresentam explicações para os fenômenos do rio Nilo. Eles afirmam que os ventos do noroeste provocam a subida do rio, ao impedir que suas águas corram para o mar. Não obstante, com certa freqüência, esses ventos deixam de soprar, sem que o rio pare de subir da forma habitual. Além disso, se os ventos do noroeste produzissem esse efeito, os outros rios que correm na direção contrária aos ventos deveriam apresentar os mesmos efeitos que o Nilo, mesmo porque eles todos são pequenos, de menor corrente.”
(Heródoto. História (trad.). livro II, 19-23. Chicago: Encyclopaedia Britannica Inc. 2.ª ed. 1990, p. 52-3 (com adaptações)).

Nessa passagem, Heródoto critica a explicação de alguns gregos para os fenômenos do rio Nilo. De acordo com o texto, julgue as afirmativas abaixo.

I- Para alguns gregos, as cheias do Nilo devem-se ao fato de que suas águas são impedidas de correr para o mar pela força dos ventos do noroeste.
II- O argumento embasado na influência dos ventos do noroeste nas cheias do Nilo sustenta-se no fato de que, quando os ventos param, o rio Nilo não sobe.
III- A explicação de alguns gregos para as cheias do Nilo baseava-se no fato de que fenômeno igual ocorria com rios de menor porte que seguiam na mesma direção dos ventos.

É correto apenas o que se afirma em

a) I.
b) II.
c) I e II.
d) I e III.
e) II e III.

resposta:[A]

Comentários: Esta questão mistura conhecimentos de História e Geografia. Ao utilizar a fala de Heródoto, a questão foge da frase clássica que se tornou lugar comum – “O Egito é uma dádiva do Nilo” – e busca uma outra abordagem. O candidato deve buscar, sem muita dificuldade, a resposta na fala de historiador grego.


5. (UFSM 2011)
Pintura mural no túmulo de Sennedjem, em Tebas (1306 - 1290 a.C.) In: ARRUDA e PILETTI. Toda a História. São Paulo: Ática, 2008. p.21

A ilustração sintetiza a sociedade egípcia. A partir das informações que ela contém, é possível afirmar:

I - Na base da sociedade, encontrava-se o rio Nilo, cujas águas podiam ser aproveitadas para o cultivo sem necessidade de técnicas específicas nem aprimoramento de organização social.
II. O ecossistema do Nilo tinha como um dos elementos o sol, o qual está representado na figura de um deus, com disco solar sobre a cabeça, transmitindo a ideia de que ele ilumina e aquece o rio, a terra e os homens.
III. As árvores frutíferas e as cenas de plantio e colheita ocupam o centro da pintura, indicando a importância tanto das águas do rio quanto da luz da divindade solar para o ecossistema.
IV - A pintura é uma representação alegórica e não realista, não indicando informação sobre a estrutura política e administrativa (o faraó e seus funcionários), por isso não serve como fonte para o estudo da história e sociedade egípcias.


Está(ão) correta(s)
a) apenas I e II.
b) apenas II e III.
c) apenas III.
d) apenas III e IV.
e) apenas IV.

resposta:[B]

Podemos dizer que na base da economia encontrava-se o Nilo e o aproveitamento de suas águas exigiu o aperfeiçoamento técnico. A pintura, como expressão de arte no Egito antigo, foi caracterizada pelo realismo e pela preocupação de retratar a vida cotidiana e suas crenças na vida após a morte.


6. (Ufscar) Observe as imagens de atividades e de objetos produzidos pelos antigos egípcios, entre 2000 e 1000 a.C.

a) Que atividades de trabalho desses povos podem ser identificadas nas imagens e objetos retratados?
b) Identifique e analise duas mudanças e duas permanências entre as atividades e técnicas do antigo Egito e as praticadas no Brasil contemporâneo.

resposta:
a) Agricultura, artesanato e comércio.
b) Mudanças:
-  O uso da terra na agricultura egípcia baseado na servidão coletiva e no Brasil em moldes capitalistas.
- O comércio baseado nas trocas no Antigo Egito e comércio de base monetária no Brasil.
Permanências:
- O uso do arado com tração animal ainda persiste em muitas regiões do Brasil, apesar da modernização nas técnicas agrícolas.
- O comércio por meio fluvial através do rio Nilo no Antigo Egito é muito comum na Amazônia brasileira.


7. (Unesp 2007) Um dos mais antigos registros escritos conhecidos surgiu no Egito. A região foi também berço do Estado e da diferenciação social. Escrever requeria anos de aprendizado e apenas alguns poucos, como os escribas, dedicavam-se a essa tarefa. Nos dias atuais, o conceito de analfabetismo mudou. A Unesco adota a noção de analfabeto funcional: pessoa capaz de escrever e de ler frases simples, mas que não consegue usar informações escritas para satisfazer suas necessidades diárias e para desenvolver seu conhecimento. Explique para que servia a escrita no Egito antigo e relacione o conceito contemporâneo de analfabetismo com a idéia de exclusão social.


resposta:
No Egito Antigo, a escrita tinha uma grande importância para o desenvolvimento de atividades sagradas e do cotidiano. Poucos tinham o privilégio de dominá-la e estes trabalhavam para o Estado.Atualmente, os analfabetos funcionais são aqueles que não desenvolvem habilidades de interpretação e de fazer operações matemáticas.


8. (Ufpel) Observe atentamente as colunas a seguir sobre a História do Egito e as relacione:

1ª Coluna

(1) Período Pré-Dinástico
(2) Antigo Império
(3) Médio Império
(4) Novo Império

2ª Coluna
( ) expansão territorial com anexação da Etiópia, Síria e Fenícia.
( ) unificação do Alto e do Baixo Egito efetuada pelo faraó Menés.
( ) formação dos nomos.
( ) invasão dos hicsos.

A ordem que relaciona corretamente a segunda coluna, em relação à primeira, é a seguinte:
a) 1, 2, 3, 4.
b) 3, 1, 4, 2.
c) 2, 4, 1, 3.
d) 4, 2, 1, 3.
e) 4, 3, 2, 1.


resposta:[D]

9. (Uece 2007) As relações entre o Estado e a religião, existentes entre os povos da Antiguidade, caracterizaram diferentes formas de organização político-social. Sobre essas relações, é correto afirmar que
a) o politeísmo implantado pelas monarquias hebraicas restringia a concepção do rei como ser humano, tornando-o, ungido de Deus.
b) a teocracia egípcia, concepção divina de poder, personificada no faraó como próprio Deus, limitou-se ao período do Novo Império.
c) a monarquia teocrática, no Egito antigo, ocorria através da personificação de Deus e do Estado na figura do faraó.
d) o Código de Hamurábi era um manual de orientação espiritual, que autorizava os fiéis a fazer justiça com as próprias mãos.


resposta:[C]

10. (Fuvest 2007) Tendo em vista a economia, a sociedade, a política e a religião, os manuais de História Antiga agrupam, de um lado, as civilizações do Egito e da Mesopotâmia, e, de outro, as da Grécia e de Roma. Indique e descreva dois aspectos comuns aos pares indicados, isto é, às civilizações

a) egípcia e mesopotâmica.
b) grega e romana.


resposta:
a)  As civilizações egípcia e mesopotâmica constituíram-se como sociedades do modo de produção asiático, característico das civilizações designadas como impérios de regadio ou sociedades hidráulicas. A produção baseava-se na servidão coletiva e na propriedade das terras pelo Estado. A monarquia teocrática era a forma de governo predominante nas duas civilizações.

b) As civilizações grega e romana constituíram-se como sociedades do modo de produção escravista, ou seja, toda a produção era realizada basicamente por escravos.
Outro elemento comum às duas civilizações era a cultura antropocêntrica, que considera homem o centro de tudo.

11. (UFSC) Sobre o Egito antigo, é CORRETO afirmar que:
(01) o rio Nilo foi de suma importância em vários aspectos da vida dos antigos egípcios. Não só a agricultura foi possível devido ao seu ciclo de cheias, como também a noção de tempo cíclico, base do pensamento egípcio, levou à crença na vida após a morte.
(02) a construção das pirâmides atendia às necessidades da vida após a morte dos faraós. Esse tipo de construção foi característica da arquitetura funerária durante todo o período do Egito antigo e só foi possível graças à enorme mão-de-obra escrava existente desde o Antigo Reino.
(04) os egípcios antigos acreditavam em vários deuses que se relacionavam entre si e formavam seu sistema mitológico.
(08) a despeito da influência islâmica, o Egito atual mantém as mesmas crenças religiosas do Egito antigo.


resposta:01 + 04 = 05


12. (UFRN) A religião estava presente em todos os aspectos da vida no Antigo Egito. A medicina, inclusive, era impregnada de elementos mágicos e religiosos. A relação entre religião e medicina no Antigo Egito era evidente na medida em que
a) as práticas médicas estavam voltadas apenas para o tratamento dos faraós, cuja imagem era associada aos deuses.
b) as técnicas desenvolvidas na medicina foram estimuladas pela necessidade de preservar o corpo para a vida após a morte.
c) os médicos, recrutados entre as mais altas camadas sociais, acumulavam também a função de promover o culto religioso.
d) os médicos queriam prolongar a existência terrena, estimulados pelas crenças religiosas que negavam a imortalidade da alma.


resposta:[B]


13. (UFPE) Em relação à religião no antigo Egito, pode-se afirmar que:
a) a religião dominava todos os aspectos da vida pública e privada do antigo Egito. Cerimônias eram realizadas pelos sacerdotes a cada ano, para garantir a chegada da inundação e, dessa forma, boas colheitas, que eram agradecidas pelo rei em solenidades às divindades.
b) a religião no antigo Egito, como nos demais povos da Antigüidade, não tinha grande influência, já que estes povos, para sobreviverem, tiveram que desenvolver uma enorme disciplina no trabalho e viviam em constantes guerras.
c) a religião tinha apenas influência na vida da família dos reis, que a usava como forma de manter o povo submetido a sua autoridade.
d) o período conhecido como antigo Egito constitui o único em que a religião foi quase inteiramente esquecida, e o rei como também o povo dedicaram-se muito mais a seguir a tradição dos seus antepassados, considerados os únicos povos ateus da Antigüidade.
e) a religião do povo no antigo Egito era bastante distinta da do rei, em razão do caráter supersticioso que as camadas mais pobres das sociedades antigas tinham, sobretudo por não terem acesso à escola e a outros saberes só permitidos à família real.


resposta:[A]

14. (UFPE) Em relação à arte do Egito Antigo, assinale a alternativa correta.
a) Visava à valorização individual do artista.
b) Manifestava as idéias estéticas com representações da natureza, evitando a representação da figura humana.
c) Estava destinada à glorificação do faraó e à representação da vida de além-túmulo.
d) Aproveitava os hieróglifos como ornamentação.
e) Era um arte abstrata de difícil interpretação.


resposta:[C]


15. (Fuvest) No antigo Egito e na Mesopotâmia, assim como nos demais lugares onde foi inventada, a escrita esteve vinculada ao poder estatal. Este, por sua vez, dependeu de um certo tipo de economia para surgir e se desenvolver. Considerando as afirmações acima, explique as relações entre:
a) escrita e Estado;
b) Estado e economia.


resposta:

a) Na Antigüidade, a escrita foi um dos fatores que permitiu organizar a estrutura burocrática do Estado. Por  meio dela, foi possível ter controle sobre as propriedades e os benefícios gerados pelos trabalhadores de uma sociedade rigorosamente hierarquizada.
b) O Estado se constituiu numa forma complexa de organização social, que empreendeu junto a rios grandes obras de irrigação, aumentando as áreas agricultáveis. Favoreceu ainda o comércio, regulamentando-o e, por  ação militar, garantindo a sua segurança.


16. (Fuvest) Caracterize as relações entre os camponeses e o Estado no Egito antigo.

resposta:
O Estado é proprietário das terras, planejando a economia e a organização da produção feita pelos camponeses. O Estado armazena e distribui a produção.


17. (Fuvest ) A partir do III milênio a. C. desenvolveram-se, nos vales dos grandes rios do Oriente Próximo, como o Nilo, o Tigre e o Eufrates, estados teocráticos, fortemente organizados e centralizados e com extensa burocracia. Uma explicação para seu surgimento é
a) a revolta dos camponeses e a insurreição dos artesãos nas cidades, que só puderam ser contidas pela imposição dos governos autoritários.
b) a necessidade de coordenar o trabalho de grandes contingentes humanos, para realizar obras de irrigação.
c) a influência das grandes civilizações do Extremo Oriente, que chegou ao Oriente Próximo através das caravanas de seda.
d) a expansão das religiões monoteístas, que fundamentavam o caráter divino da realeza e o poder absoluto do monarca.
e) a introdução de instrumentos de ferro e a conseqüente revolução tecnológica, que transformou a agricultura dos vales e levou à
centralização do poder.


resposta:[B]
 
18. (RICAFONTE) Leia atentamente as afirmativas abaixo:
I - No início, o Egito estava dividido em um grande número de aldeias, denominadas nomos.
II - No Egito Antigo as mulheres eram respeitadas, podendo até adquirir propriedades.
III - O Egito se localiza na Ásia, é banhada pelo Oceano Indico e possui extensa área desértica.

Assinale:
a) Se I, II e III estiverem corretas.
b) Se II e III estiverem corretas.
c) Se apenas a I estiver correta.
d) Se I e II estiverem corretas.

resposta:[D]

19. (RICAFONTE) Observe a linha do tempo do Egito Antigo.
 
Relacione os períodos da coluna da esquerda com as respectivas características na coluna da direita.
  
1. Período Pré-Dinástico
2. Antigo Império
3. Médio Império
4. Novo Império                                                                           

 (   ) Expansão territorial com anexação de regiões vizinhas.
 (   ) Período de relativa paz e estabilidade política.
 (   ) Formação dos nomos.
 (   ) Construção das grandes pirâmides de Quéops, Quefrem e Miquerinos (2600 a.C.)
(   ) Expansão das atividades comerciais e domínio dos hicsos.

A alternativa que contém a correspondência CORRETA é:
a)  4       2        1          2          3
b)  3       2        1          4          2
c)  3       1        4          2          3
d)  2       4        3          1          4

resposta:[A]

20. (RICAFONTE) A sociedade egípcia estava dividida em dois grandes grupos sociais: os privilegiados (nobres, sacerdotes e funcionários administrativos) e os não-privilegiados (soldados, artesãos, camponeses e escravos).

Em relação à sociedade egípcia, a alternativa CORRETA é:

a) Como a religiosidade no Egito Antigo era pequena, os sacerdotes possuíam pouca influência sobre a sociedade.
b)Os escribas atuavam em todos os níveis da administração, fiscalizavam o controle das despesas do Estado e a arrecadação dos impostos.
c) Os camponeses eram minoria na sociedade egípcia, eram muitos respeitados, já que forneciam alimentos para a população.
d)  Os vizires e os nomarcas eram muito explorados, já que pagavam impostos altíssimos.



resposta:[B]


21.(RICAFONTE) A ilustração refere-se
 
 
FONTE: (MELLA, Frederico A., “O Egito dos Faraós: história, civilização, cultura”. 3ª. ed. São Paulo. Hermes Ed. 1998. p. 18)

a)  à escrita Cuneiforme, usados pelos mesopotâmios
b)  aos Hieróglifos, escrita utilizada pelos egípcios antigos.
c)  à pedra da Roseta, cujos caracteres ajudaram na decifração da escrita egípcia.
d)  ao alfabeto fenício, divulgado pelos egípcios no delta do Nilo.

 resposta:[B]

22. (RICAFONTE) A partir da figura acima, podemos afirmar que a escrita egípcia

a)  apresentava, normalmente, caracteres em forma de cunha.
b)  usava, na sua maioria, símbolos sem nenhuma relação com a realidade.
c)   possuía um alfabeto muito próximo do alfabeto utilizado por nós hoje em dia.
d)   era formada por figuras que representavam os objetos a que se referiam.

 resposta:[D]

23. (RICAFONTE) Há, no Egito, pessoas encarregadas por lei de embalsamar corpos e que fazem disso uma profissão. Esses profissionais utilizam-se de vinho de palmeira e óleos aromáticos, especiarias (mirra, canela). Salgam o corpo e cobrem com náilon por setenta dias. Após este tempo, lavam, envolvem-no com faixas de tela de algodão embebidas em commi, uma espécie de cola.
Existem vários tipos de embalsamamento. Esse apresentado é o mais caro. Nos tipo médio e inferior  são utilizados processos mais simples e mais baratos. O preço é combinado com a família.
Se se encontra um cadáver abandonado, seja alguém que foi atacado por um crocodilo ou morto por afogamento no Rio Nilo, a cidade em cujo território foi encontrado, é obrigada a embalsamá-lo. Não é permitido parentes ou amigos tocar no cadáver, apenas os sacerdotes do Nilo têm esse privilégio. É algo mais precioso do que o simples cadáver de um homem.”

Após a leitura do texto, assinale a alternativa correta:

a)  Os egípcios recebiam o mesmo tratamento após a morte.
b)  O egípcio morto no Rio Nilo recebia o tratamento igual a um mendigo.
c)  O egípcio de classe alta era embalsamado pelo Faraó.
d) O egípcio após a morte recebia um tratamento diferente, de acordo com a sua condição social.



resposta:[D]



24. (RICAFONTE) Leia atentamente o texto.

FARAÓ, DIVINDADE TERRENA

A palavra faraó, em egípcio, significava a grande morada. Herdeiro dos deuses, o faraó era responsável pelo equilíbrio da natureza e o único que podia se aproximar das forças divinas. Sua imagem era vista nas cenas religiosas das paredes dos templos.
O Faraó só participava das cerimônias mais importantes dos templos do Egito. Eram os sacerdotes, em seu nome, que celebravam as cerimônias de menos importância.
Fora dos templos, o faraó era um defensor do Egito. Com a ajuda dos deuses, mantinha a ordem universal diante de seu povo. Era responsável pela diplomacia com os adversários do  país. À frente dos exércitos, o faraó se responsabilizava pela segurança do território egípcio e comandava toda e qualquer invasão.

PILETTI, Nelson e Claudino. História e Vida. São Paulo: Editora Ática, 3º vol., 1997, p. 59.

Com base no texto e em seus conhecimentos, CITE duas funções do faraó.


resposta: 
Controlava o Estado e os Tribunais de Justiça.
Comandava o exército.
Participava das cerimônias mais importantes do templo.
Era responsável pela diplomacia.
Era responsável pela segurança do território.

25. (RICAFONTE) Leia com atenção o texto que se segue:

A religião desempenhava um papel muito importante na vida dos antigos egípcios. Todos os aspectos da vida das pessoas eram regulados por normas religiosas. (...) No Antigo Egito, a religião deixou sua marca em quase todos os setores da vida: a arte era uma expressão de simbolismo religioso; a literatura e a filosofia estavam repletas de ensinamentos religiosos.

PILETTI, Nelson e Claudino. História e Vida. São Paulo: Editora Ática, 3º vol., 1997, p. 65.

Os egípcios acreditavam na existência da vida após a morte. Para eles, depois de julgada e absolvida pelo tribunal de Osíris, a alma vinha em busca do corpo.

Qual a relação existente entre a religião e o processo de mumificação no Egito Antigo?

resposta: 
Os egípcios acreditavam que após a morte a alma seguiria para o “Tribunal de Osíris” para ser julgado.
Se as suas boas ações pesassem mais do que as más, a sua alma seria convidada para viver eternamente no reino de Osíris. Porém, para que ela se tornasse de fato imortal, era necessário que o corpo de onde saiu fosse igualmente eternizado.




26. (RICAFONTE) A sociedade egípcia era hierarquizada, ou seja, apresentava grupos sociais que iam dos mais pobres e submissos até os mais poderosos.
Entre outros grupos sociais, existiam os agricultores, os escribas, o faraó, os artesãos e os sacerdotes.

Preencha a pirâmide do poder do Egito Antigo conforme os grupos sociais citados:
 


 resposta:
 

 FARAÓ
                                                              
                        SACERDOTES


                                           ESCRIBAS


                                                       ARTESÃOS


                                                                   AGRICULTORES
 



27. (RICAFONTE) Leia o texto abaixo.

O verdadeiro Egito

     Muito do que aprendemos na escola vem das idéias equivocadas, herdadas de gregos e romanos, que consideravam os egípcios um povo fúnebre.
     Os egípcios eram agricultores, mas sua civilização também era rica em artesãos, arquitetos, escultores e escribas de qualidade excepcional (...).
No campo da escrita, chegou até nós uma enorme quantidade de texto, descrevendo transações burocráticas do império, histórias com motivo religioso encontradas em tumbas, poesias e romances épicos. "Os egípcios produziam tanto ou mais textos quanto os gregos e os romanos", conta Brancaglion. Entre as poesias que exaltam o amor; chamam atenção àquelas em que a mulher toma a iniciativa, elogiando a beleza do parceiro (...). Não se sabe ao certo se foram escritas por mulheres.
A mulher; por sinal, vivia em situação confortável para a época. "Elas tinham direitos legais e, portanto, uma identidade própria", conta a egiptóloga Lise Manniche, da Universidade de Copenhague. Em caso de separação, por exemplo, era a mulher que ficava com tudo. A herança vinha também pelo lado feminino. Era freqüente que o faraó se casasse com suas primas ou irmãs. Por esse motivo também, havia brigas e assassinatos na família que ficaram para a História, como o assassinato dos irmãos por Cleópatra [rainha do Egito que viveu entre 69 a. C. e 3 O a. C.] (...)
Em alguns períodos, as mulheres da nobreza usavam perucas de cabelos verdadeiros e perfumes com essências raras; as menos ricas e influentes usavam fibras vegetais e perfumes comuns. Uma pintura preta, chamada Kohl, era também de uso generalizado nos olhos e faces de homens e mulheres. "Alguns egípcios costumavam passar sombra verde nos olhos e rouge", diz Manniche. Eram vaidosos e alegres. Se ficaram com uma imagem diferente, o problema não é deles. Como diz Brancaglion, não foram às múmias dos faraós que nos amaldiçoaram. Fomos nós que as condenamos.

(Fonte: FERRONI, Marcelo. "O verdadeiro Egito: o mundo moderno, que só conhecia o povo das tumbas de faraós,agora descobre como ele valoriza a vida". In: Galileu.São Paulo, Globo, ano 11, n° 118, maio/ 2001.
p. 25-6.)

a)  IDENTIFIQUE o papel da mulher, segundo o texto.
b) RETIRE informações do texto que contradizem a visão transmitida a nós a respeito dos egípcios.


resposta: 
a) “A mulher; por sinal, vivia em situação confortável para a época. "Elas tinham direitos legais e, portanto, uma identidade própria".(...) A herança vinha também pelo lado feminino”.
b) Os egípcios eram agricultores, mas sua civilização também era rica em artesãos, arquitetos, escultores e escribas de qualidade excepcional (...) No campo da escrita, chegou até nós uma enorme quantidade de texto, descrevendo transações burocráticas do império, histórias com motivo religioso encontradas em tumbas, poesias e romances épicos. Os egípcios eram alegres e vaidosos. Homens e mulheres usavam pinturas nos olhos e nas faces.



 28.(Vunesp) Os estados teocráticos da Mesopotâmia e do Egito evoluíram acumulando características  comuns e peculiaridades culturais. Os Egípcios  desenvolveram a prática de embalsamar o corpo  humano porque:
a) Se opunham ao politeísmo dominante na época.
b) Os seus deuses, sempre prontos para castigar os  pecadores, desencadearam o dilúvio.
c) Depois da morte a alma podia voltar ao corpo  mumificado. 
d) Construíram, túmulos, em forma de pirâmides  truncadas, erigidos para a eternidade.
e) Os camponeses constituíam categoria social  inferior. 

resposta:[C]

29. (UEL) No Novo Império Egípcio (1580 - 525 a.C., aproximadamente), a revolução promovida por Amenófis IV (também chamado de Aquenaton) teve grande significado, porque consistiu na:
a) Expulsão dos Hicsos, povos semitas, que dominavam o Egito desde o Antigo Império.
b) Unificação das diferentes províncias - nomos - evitando, assim, a fragmentação do estado.
c) Realização de modificações na estrutura social do Egito para eliminar as oligarquias agrárias.
d) Promoção de ampla reforma agrária, de modo a atenuar a miséria dos camponeses.
e) Introdução do monoteísmo religioso, a fim de controlar a influência política dos sacerdotes. 

resposta:[E] 

30. Leia, sobre o Antigo Império egípcio, o texto a seguir:
“O fortalecimento da monarquia tornou possível o fortalecimento de uma espécie de aristocracia, constituída pelos altos funcionários
reais, pelos chefes locais e pelos governadores de províncias (os nomarcas), que possuíam na prática a propriedade efetiva das terras em troca de tributos e serviços ao faraó. O crescimento dessa aristocracia, somado à consolidação da monarquia, determinou o aumento da demanda de serviços, que exigiu o desenvolvimento do que se poderia chamar de uma ‘classe média’, constituída pelos artesãos e funcionários. Sabe-se que o contingente de trabalhadores era constituído pelos egípcios pobres e livres e por escravos, que eram em geral estrangeiros prisioneiros de guerra. Não há, porém, concordância quanto ao peso específico de cada um desses grupos nem na produção econômica nem na estrutura social”. 

(NADAI, Elza e NEVES, Joana.  História Geral.  Antiga e Medieval. 5 ed., São Paulo: Saraiva, 1994, pp. 50-51)
  
A partir do texto, afirma-se:
a) A vida social do Egito antigo era marcada pela dominação de uma elite ao mesmo tempo burocrática e religiosa, congregada em torno do faraó.
b) Os estudos arqueológicos e históricos não são capazes de indicar qualquer descrição acerca da estrutura social do Egito antigo.
c) A lenta evolução econômica, o pouco desenvolvimento das ciências e a ausência de riquezas explicam as duras condições sociais dos agricultores.
d) A vida social precária do Antigo Império foi contrastante com o apogeu da civilização do Baixo Império.
e) A economia egípcia não se baseava na agricultura, pois a indústria e o extrativismo mineral eram as atividades mais importantes.

resposta:[A]

4 comentários:

  1. Aprendi com essa seleção que a visão eurocentrista não permitiu que tivéssemos ciência da situação da mulher e do poeta no Antigo Egito #oraveja

    ResponderExcluir