segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Unicamp 2015


Questão 13
O filósofo Aristóteles (384-322 a.C.) definiu a cidadania em Atenas da seguinte forma: A cidadania não resulta do fato de alguém ter o domicílio em certo lugar, pois os estrangeiros residentes e os escravos também são domiciliados nesse lugar e não são cidadãos. Nem são cidadãos todos aqueles que participam de um mesmo sistema judiciário. Um cidadão integral pode ser definido pelo direito de administrar justiça e exercer funções públicas.
(Adaptado de Aristóteles, Política. Brasília: Editora UnB, 1985, p. 77-78.)

a) Indique duas condições para que um ateniense fosse considerado cidadão na Grécia clássica no apogeu da democracia.
b) Os estrangeiros, também chamados de metecos, não tinham direitos integrais, mas tinham alguns deveres e
direitos. Identifique um dever e um direito dos metecos.


resposta da questão:
a) Entre as condições para que um ateniense fosse considerado cidadão na Grécia Clássica, o candidato poderia indicar: 
- ser homem, maior de 21 anos, nascido em Atenas, filho e pais atenienses; essas condições, em conjunto, garantiam que o cidadão deveria participar da vida publica da cidade – sendo assim considerado cidadão político.

b) O texto oferece indicativos de alguns direitos e deveres dos metecos – os estrangeiros, considerados não cidadãos em Atenas: sendo considerados homens livres, tinham o direito de gozar de “um mesmo sistema judiciário”, tendo assim condições de igualdade com aqueles considerados cidadãos. Também poderiam cumprir o serviço militar e exercer atividades comerciais. Em relação aos deveres, o candidato poderia mencionar o pagamento de impostos - sobretudo o de residência – obrigatório para a permanência de um estrangeiro em Atenas. Vale lembrar que, apesar de ter alguns direitos, os metecos não tinham direito à participação política e à vida publica, conforme indica Aristóteles no fragmento.


Questão 14
“Guerreiros a pé e cavaleiros fizeram um caminho através dos cadáveres. Mas tudo isso ainda era pouca coisa. Fomos ao Templo de Salomão, onde os sarracenos tinham o costume de celebrar seus cultos. O que se passou nestes lugares? Se dissermos a verdade, ultrapassaremos o limite do que é possível crer. Será suficiente dizer que, no Templo e no pórtico de Salomão, cavalgava-se em sangue até os joelhos dos cavaleiros e até o arreio dos cavalos. Justo e admirável julgamento de Deus, que quis que este lugar recebesse o sangue daqueles que blasfemaram contra Ele durante tanto tempo.”
(Raymond d’Aguiller, Historia Francorum qui ceperunt Jerusalem. http://www.fordham.edu/halsall/source/raymondcde.asp#jerusalem2. Acessado em 01/10/2014.)


O texto acima se refere à Primeira Cruzada (1096-1099). 
Responda às questões abaixo.
a) Identifique um motivo econômico e um motivo político para o movimento das Cruzadas.
b) Que grupo social liderou esse movimento e como o cronista citado identifica o apoio de Deus ao empreendimento
cruzadístico? 

resposta da questão:

a) O motivo econômico causador do movimento cruzadista foi a tentativa dos comerciantes, sobretudo das cidades de Gênova e Veneza, de retomar o controle sobre as rotas comerciais do Mar Mediterrâneo, que estava controlado pelos islâmicos desde a Alta Idade Media. Já em relação à motivação política se pode identificar a ajuda da Igreja católica ao Império Bizantino, que estava sofrendo ataques de povos islamizados.
Essa ajuda era vista pelo clero católico como uma forma de acabar com o Cisma do Oriente (1054 d. C) e, desse modo, reunificar o cristianismo na Europa, aumentando o poder da Igreja Católica e do papa no continente.


b) A nobreza foi o grupo social que liderou o movimento cruzadista. O cronista identifica o apoio de Deus as Cruzadas como um ato de reparação ou mesmo de vingança, pois afirma que seria uma forma de punição aos que invadiram e blasfemaram os locais sagrados do cristianismo, sobretudo na terra santa de Jerusalém.


Questão 15

É na segunda metade do século XV que a África negra descobre os portugueses. Ela se compõe de um mosaico de povos, Estados e impérios (animistas ou islamizados) que nem a coroa nem os marinheiros de Lisboa jamais conseguirão dominar. O fim do século é marcado, entre outras coisas, pela expansão do Império de Gao e pela ascensão da dinastia Askya no Sudão ocidental. Mas é preciso lembrar as inúmeras redes comerciais que não haviam esperado os europeus para promover a circulação de escravos.

(Adaptado de Serge Gruzinski, A passagem do século 1480-1520. As origens da globalização. São Paulo: Companhia das Letras,
1999, p. 56-57.)

a) Que elementos do texto acima indicam que o continente africano tinha, naquele período, formas de organização complexas?

b) Como os agentes portugueses organizaram a economia do tráfico na Era Moderna?


resposta da questão:

a) A partir do texto, podemos aferir que o continente africano possuía uma complexa organização política e econômica. Politicamente, podemos citar a consolidação de Estados e impérios que congregavam diversos povos. Economicamente, identificamos vastas redes comerciais que antecedem a presença europeia. Além disso, podemos verificar a presença de religiões como a islâmica e animista.


b) A partir do estabelecimento de feitorias na costa africana, os agentes portugueses realizaram contato com diversos povos nativos. Aproveitando-se das disputas locais pré-existentes, os portugueses se aliaram a alguns grupos para promover o domínio de outros. Assim, a escravidão implementada na África contou com ação de africanos, mas organizou-se e intensificou-se a partir da presença europeia.



Questão 16

Com a partida de D. João VI, permaneceu como regente do reino do Brasil o príncipe herdeiro. Contrário à ideia de submissão do monarca a uma assembleia, que ele considerava despótica, mas incapaz de deter o rumo dos acontecimentos, D. Pedro habilmente se aproximou de uma facção da elite brasileira, a dos luso-brasileiros.
(Adaptado de Guilherme Pereira das Neves, “Del Imperio lusobrasileño al imperio del Brasil (1789-1822)”, em François-Xavier Guerra (org.), Inventando la nación. México: FCE, 2003, p. 249.)

Considerando os processos de independência no continente americano,
a) apresente duas diferenças importantes entre o processo de independência no mundo colonial espanhol e o processo de independência do Brasil.

b) explique a importância dos luso-brasileiros no governo de D. Pedro I e por que eles foram a causa de diversos conflitos no período.



resposta da questão:


a) Podemos apontar como diferenças entre os dois processos de independência: a fragmentação territorial e política da América Espanhola e a instauração de repúblicas, em oposição à manutenção da unidade territorial e permanência da monarquia no Brasil.


b) Após o processo de independência, os luso-brasileiros formaram a base de sustentação do novo governo, apoiando o projeto centralizador de D. Pedro I, exemplificado pela Constituição de 1824 e pela instauração do poder moderador. Em torno do projeto político luso-brasileiro, podemos identificar oposições feitas principalmente por brasileiros que não compactuavam com as posturas e convicções do monarca. Dividiram-se, assim, dois projetos distintos: o defendido pelo Partido Português (apoiador de D. Pedro) e o do Partido Brasileiro (defensor da soberania do país partilhada entre cidadãos-proprietários e imperador). Podemos citar
como conflitos do período que envolveram ambos os grupos: A Noite das Garrafadas e o Ministério dos Marqueses. 


Questão 17

Observe o gráfico e responda às questões.

(Adaptado de Adam Hart-Davis, History: the definitive visual guide. London: DK, 2007, p.385.)

a) Qual a relação existente entre as duas linhas apresentadas no gráfico?

b) Apresente dois motivos para a crise financeira de 1929.



resposta da questão:
a) A relação existente e que antes da crise de 1929 a produção industrial superava o numero de empregados nos Estados Unidos, o que evidencia um panorama de superprodução e subconsumo , um dos motivos da crise. Contudo, após 1929 as linhas se invertem, ocorrendo uma queda da produção industrial e uma elevação do numero de empregados, sobretudo através do New Deal. Apenas entre os anos de 1937 e 1938, como gráfico evidencia, há um equilíbrio entre produção e emprego, demonstrando uma recuperação relativa da economia estadunidense.


b) A crise de 1929 foi causada por diversos motivos, tais como superprodução industrial, subconsumo, grande desigualdade social nos Estados Unidos, aumento do desemprego, recuperação econômica da economia europeia e especulação financeira. Desses motivos, interessante ressaltar a recuperação da economia europeia, abalada pela Primeira Guerra Mundial (1514-18). Essa recuperação ocorreu em meados da década de 1920, sobretudo através dos empréstimos estadunidenses. Com a melhoria da economia europeia, as exportações estadunidenses diminuíram, causando o problema de superprodução industrial e subconsumo nos Estados Unidos, sobretudo causado pela grande desigualdade social e ampliação do desemprego (algo evidenciado pelo gráfico). Devido o problema de superprodução e subconsumo, as empresas estadunidenses começaram a acumular prejuízos. Para não terem suas ações desvalorizadas nas bolsas de valores, essas empresas começaram a apresentar balancetes falsos, causando grande especulação financeira. Ao serem desmascarados, os preços das ações despencaram, causando a quebra da bolsa de Nova Iorque e, com isso, a crise de 1929. 


Questão 18

As duas imagens fazem parte de um trabalho do artista plástico Cildo Meireles, intitulado “Inserções em Circuitos Ideológicos - Projeto Cédula (1970-2013)”.

a) Como as inscrições produzidas pelo artista se relacionam aos momentos históricos a que as obras se referem?

b) Cite e explique a principal diferença, do ponto de vista da divulgação das obras, entre os anos 1970 e 2013.


resposta da questão:
a) Os anos 1970 são marcados pelo recrudescimento do regime militar. Um episódio de grande repercussão midiática foi o assassinato do jornalista Vladmir Herzog (opositor ao regime), a respeito do qual os militares  alegaram suicídio. Em 2013, o pedreiro Amarildo Dias de Souza desapareceu durante uma ação policial na  favela da Rocinha, no Rio de Janeiro. O artista Cildo Meireles faz referência aos dois casos, contextualizando-os nas cédulas contemporâneas aos acontecimentos, fazendo uma crítica ao arbítrio e repressão estatal.

b) A principal diferença é a liberdade de expressão, que em 1970 era restrita pela censura do regime militar,  diferentemente de 2013, em que o Estado de direito garante, pela Constituição de 1988, a liberdade de  imprensa, expressão e pensamento.


domingo, 14 de dezembro de 2014

A última guerra do Prata - Episódio 4

A última guerra do Prata - Episódio 4


O quarto episódio da série A última guerra do Prata mostra o terrível último ano da Guerra do Paraguai. Momento em que as mazelas do conflito foram expostas e revelaram a destruição de um país. O episódio analisa o pós-guerra e discute os impactos da maior guerra da América do Sul em cada uma das nações envolvidas. Por fim, especialistas avaliam as polêmicas históricas e os mitos criados pelas historiografias sobre o conflito à luz das pesquisas e estudos mais recentes sobre a Guerra do Paraguai.

A última guerra do Prata - Episódio 3

A última guerra do Prata - Episódio 3

O terceiro episódio da série A última guerra do Prata foca o período em que os aliados ficaram estacionados no Sul do Paraguai. O desconhecimento do território e as divergências entre brasileiros e argentinos culminaram com a derrota dos aliados em Curupaity. O episódio mostra o papel do Marquês de Caxias na reorganização dos exércitos aliados e ainda aborda o cotidiano dos homens e mulheres que viveram nos acampamentos da Guerra do Paraguai – especialmente em Tuyuti, onde ainda é possível encontrar inúmeras relíquias da guerra. Por fim, o episódio mostra que a queda da poderosa Fortaleza de Humaitá e a tomada de Assunção não colocaram um ponto final na Guerra do Paraguai.

A última guerra do Prata - Episódio 2

A última guerra do Prata - Episódio 2

O segundo episódio da série A última guerra do Prata apresenta os dois primeiros anos da Guerra do Paraguai. Revela como o confronto entre Brasil e Uruguai acabou envolvendo o Paraguai do presidente Solano López, que socorreu o governo uruguaio e declarou guerra ao Império Brasileiro. Documentos e depoimentos de historiadores mostram que Solano López acreditava que teria o apoio de províncias do interior argentino em sua luta. Ele invadiu a Argentina e com isso favoreceu a aliança do governo de Buenos Aires com o Brasil. O episódio ainda mostra quem eram os soldados brasileiros que se voluntariaram para combater em uma guerra que deveria ser rápida, mas acabou durando anos.

A última guerra do Prata Episódio 1

A última guerra do Prata
Desenho dos uniformes utilizados pelos soldados durante a Guerra do Paraguai (Foto: Fundação Biblioteca Nacional)
O primeiro episódio da série A última guerra do Prata apresenta o processo de formação dos Estados da região platina durante o século XIX. Um momento repleto de disputas políticas internas e externas e de indefinições de fronteiras, o que criou um clima de forte tensão entre os países da região. Enquanto no Brasil a monarquia centralizava o poder e abafava as revoltas, a Argentina e o Uruguai vivenciavam guerras civis e o Paraguai, sem acesso direto ao mar, evitava os problemas regionais se isolando do mundo. Este episódio aborda a história da turbulenta região platina no período anterior ao conflito para revelar os fatores geopolíticos que contribuíram para a deflagração da Guerra do Paraguai.






quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Resolução comentada da prova de História da UERJ 2015

Resolução comentada da prova de História UERJ 2015

Questão 01


Nos séculos XVI e XVII, o surgimento e a expansão de diversas religiões cristãs, genericamente chamadas de protestantes, alteraram as condições políticas e sociais do Ocidente europeu.
Identifique dois efeitos políticos da expansão das Igrejas protestantes para as sociedades europeias. Apresente, ainda, uma das reações da Igreja Católica a essa expansão.



Resposta da questão:

Dois dos efeitos políticos:

• divisão da cristandade ocidental
• forte apoio de grupos burgueses ao calvinismo
• rompimento entre dinastias reinantes e o papado
• ocorrência de guerras de religião em diversas regiões europeias
• apoio de setores da nobreza a religiões protestantes, principalmente ao luteranismo
• fortalecimento político de monarcas e nobres beneficiados pelo confisco de terras da Igreja Católica

Uma das reações:
• instituição do Índex
• reafirmação do poder do Papa
• convocação do Concílio de Trento
• condenação da venda de indulgências
• reformulação do Tribunal da Santa Inquisição
• criação de seminários para a formação do clero secular
• estímulo à ação de ordens religiosas missionárias, como a Companhia de Jesus


Questão 02


As imagens remetem a dois marcos históricos do processo de conquista e ocupação da região amazônica pela Coroa de Portugal: a construção do Real Forte do Príncipe da Beira na margem direita do Rio Guaporé, entre 1776 e 1783, e a expedição à região do Amazonas comandada por Pedro Teixeira, ocorrida entre 1637 e 1639.
Identifique duas estratégias da colonização portuguesa na Amazônia ao longo dos séculos XVII e XVIII. Em seguida, aponte duas características físicas ou demográficas dessa região que tenham interferido nas estratégias de colonização.




Resposta da questão:
Duas das estratégias:
• construção de fortes destinados à defesa de terras conquistadas
• utilização da numerosa população indígena local como mão de obra
• realização de expedições de exploração e reconhecimento do território
• controle e uso da navegação de rios para assegurar a posse do território
• estímulo à presença de missões religiosas dedicadas à catequese dos indígenas
• exploração dos recursos naturais da floresta (coleta e extração das drogas do sertão, como canela e cacau)

Duas das características:
• extensa floresta equatorial
• grandes vazios demográficos
• bacias hidrográficas navegáveis
• dispersão dos recursos naturais pela floresta
• existência de numerosa e diversificada população indígena


Questão 03

No Brasil, em finais do século XVIII, o descontentamento com o poder metropolitano deu origem a rebeliões que questionavam o domínio político português. Dentre essas rebeliões, destacam-se a Inconfidência Mineira (1789) e a Conjuração Baiana (1798).
Aponte duas diferenças entre a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana. Cite, também, dois movimentos políticos ou filosóficos que influenciaram essas insurreições. lema da Inconfidência Mineira


historiabrasileira.com




Aponte duas diferenças entre a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana. Cite, também, dois movimentos políticos ou filosóficos que influenciaram essas insurreições.



Resposta da questão:
Diferenças:
• A Inconfidência Mineira foi um movimento de composição predominantemente elitista, já a Conjuração Baiana teve um caráter mais popular.
• Algumas lideranças da Conjuração Baiana propunham a abolição da escravidão, o que não era cogitado pelos inconfidentes de Minas Gerais.

Dois dos movimentos:
• Iluminismo
• Liberalismo
• Republicanismo
• Revolução Francesa
• Independência dos Estados Unidos



Questão 04


A convocação dos Estados Gerais deu início à Revolução Francesa, ocasionando um conjunto de mudanças que abalaram não só a França, mas também o mundo ocidental em finais do século XVIII.
Cite um motivo para a convocação dos Estados Gerais na França, em 1789, e apresente duas consequências da Revolução Francesa para as sociedades europeias e americanas.



Resposta da questão:
Um dos motivos:
• crise financeira
• proposta de equidade fiscal
• endividamento do Estado francês
• encaminhamento de uma reforma tributária por parte do Estado

Duas das consequências:
• divisão do poder político
• defesa da ideia de liberdade
• crise do absolutismo monárquico
• defesa da ideia de igualdade jurídica
• substituição da ideia de súdito pela ideia de cidadão
• fim da sociedade estamental (fim dos privilégios de nascimento ou de origem)
• estabelecimento da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão

Questão 05
Observe as obras de pintores brasileiros reproduzidas abaixo. A primeira se insere no contexto do Romantismo, no século XIX, e a segunda no do Modernismo, no século XX, movimentos culturais que difundiram características e símbolos distintos para a identidade nacional.

“Primeira missa no Brasil” (1860), de Victor Meirelles
historiaporimagem.blogspot.com.br

“Café” (1935), de Candido Portinari
portinari.org.br


A partir de elementos presentes nas pinturas, indique uma proposta do Romantismo e uma do Modernismo que explicitem a forma de cada um representar a composição étnica do povo brasileiro.


Resposta da questão:
Uma das propostas do Romantismo:
• idealização do indígena como símbolo nacional
• ênfase da presença portuguesa na ação colonizadora

Uma das propostas do Modernismo:
• afirmação do caráter miscigenado do povo
• valorização da presença de negros e mulatos entre os trabalhadores


Questão 06



Os motivos que justificaram a Guerra do Paraguai, ou Guerra da Tríplice Aliança, continuam gerando controvérsias cento e cinquenta anos depois.
Apresente dois motivos que expliquem essa guerra, tendo em vista as disputas na região do rio da Prata durante a segunda metade do século XIX.



Resposta da questão:
Dois dos motivos:
• disputa pela hegemonia regional entre o Brasil e a Argentina
• controle da navegação pelos rios Paraguai, Paraná e Uruguai
• criação de entraves à formação de Estados nacionais fortes que unificassem a região
• necessidade do Paraguai de controlar o estuário do Prata para acessar o oceano Atlântico
• garantia da proeminência brasileira ou argentina em relação aos demais Estados do Prata
• consolidação das fronteiras de províncias brasileiras, como Mato Grosso e Rio Grande do Sul


Questão 07


A partir de meados do século XIX, a expansão urbana passou a ser guiada por um modelo de modernização cujas reformas modificaram profundamente as grandes cidades e a vida de seus habitantes. No início do século XX, o Brasil, apesar de encontrar-se em um contexto diverso do europeu, inspirou-se na reforma efetuada em Paris pelo Barão Haussman. A Reforma Pereira Passos (1902-1906) deu início a um processo de transformação do Rio de Janeiro na “Paris dos Trópicos”.
Cite dois objetivos da reforma urbana de Pereira Passos e um efeito dessa reforma para o processo de urbanização da cidade do Rio de Janeiro.



Resposta da questão:
Dois dos objetivos:
• construir grandes avenidas, símbolos de modernidade
• resolver problemas de insalubridade das áreas urbanas
• sanar deficiências de infraestrutura tendo em vista o aumento da população
• derrubar os cortiços e outros tipos de moradias populares existentes no Centro
• remodelar ruas e prédios identificados com o cenário colonial do Rio de Janeiro

Um dos efeitos:
• facilitação da mobilidade urbana
• deflagração do processo de favelização
• controle da população mais pobre, considerada perigosa
• facilitação do escoamento das importações/exportações
• deslocamento das moradias populares para áreas periféricas ao centro da cidade




Questão 08
Passeata dos Cem Mil, Rio de Janeiro, 26/06/1968
alerj.rj.gov.br


Os movimentos de contestação política ocorridos na década de 1960 tiveram motivações variadas. No Brasil, a Passeata dos Cem Mil foi o episódio mais marcante nesse contexto.
Aponte dois elementos do contexto político brasileiro da época associados diretamente à ocorrência dessa passeata. Em seguida, apresente um motivo que, em 1968, contribuiu para a eclosão de revoltas em um dos outros países citados no texto.


Resposta da questão:
Dois dos elementos:
• restruturação do movimento estudantil
• ampliação da oposição à ditadura militar
• morte do estudante secundarista Edson Luís
• ampliação dos protestos contra a violência da repressão política
• cerceamento das liberdades políticas a partir do Golpe Militar de 1964

Um dos motivos:
• Primavera de Praga
• críticas à Guerra do Vietnã
• expansão da contracultura e da revolução sexual
• apropriação das ideias da Revolução Cultural Chinesa
• desdobramentos das lutas de descolonização na Ásia e na África
• insatisfação estudantil quanto à burocracia do sistema universitário

Questão 09


O Holocausto vem sendo cada vez mais associado à memória histórica de sociedades europeias.
Indique duas repercussões do Holocausto para o contexto internacional posterior ao fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Indique, também, a importância simbólica da criação de
memoriais como o citado na reportagem.


Resposta da questão:
Duas das repercussões:
• criminalização internacional do nazismo
• apoio à criação do Estado de Israel na Palestina
• criminalização de ações discriminatórias de raças, povos e etnias
• denúncia e condenação internacional, no contexto do Tribunal de Nuremberg, dos crimes contra a humanidade cometidos pelo Estado Nazista

Uma das possibilidades:
• promover a valorização das memórias e o reconhecimento dos crimes cometidos para as novas gerações
• estimular a condenação de ações de perseguição e de extermínio, em especial os genocídios


Questão 10



O Estado Islâmico criado em regiões do Oriente Médio alterou as relações entre os governos locais e muitas nações ocidentais, gerando novas ameaças e conflitos, como se observa por meio do mapa e da reportagem.
Identifique uma característica da ação política do grupo que criou o Estado Islâmico. Em seguida, aponte um motivo para a oposição norte-americana à sua existência.




Resposta da questão:
Uma das características:
• defesa do fundamentalismo religioso de forma extremista
• crítica ostensiva ao Estado laico e aos princípios democráticos ocidentais
• utilização de práticas terroristas, como sequestros, assassinatos, saques
• defesa do militarismo para expansão do islamismo fundamentalista (Jihadismo)

Um dos motivos:
• interesse na exploração e comércio do petróleo da região
• aliança com o Estado de Israel no contexto dos conflitos com os países árabes
• defesa da posição hegemônica norte-americana na difusão internacional dos ideais liberal-democráticos e
dos direitos humanos
• combate à Al-Qaeda e ao fundamentalismo islâmico, no contexto das repercussões do atentado às Torres Gêmeas, no Onze de Setembro

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Correção do vestibular FUVEST 2015

FUVEST 2015
Questão 01
Examine estas imagens produzidas no antigo Egito:

As imagens revelam
a) o caráter familiar do cultivo agrícola no Oriente Próximo, dada a escassez de mão de obra e a proibição, no antigo Egito, do trabalho compulsório.
b) a inexistência de qualquer conhecimento tecnológico que permitisse o aprimoramento da produção de alimentos, o que provocava longas temporadas de fome.
c) o prevalecimento da agricultura como única atividade econômica, dada a impossibilidade de caça ou pesca nas regiões ocupadas pelo antigo Egito.
d) a dificuldade de acesso à água em todo o Egito, o que limitava as atividades de plantio e inviabilizava a criação de gado de maior porte.
e) a importância das atividades agrícolas no antigo Egito, que ocupavam os trabalhadores durante aproximadamente metade do ano.

Resposta da questão:[E]
Comentário da questão:
Apesar da questão abordar a Antiguidade Oriental, assunto pouco frequente na primeira fase da Fuvest, exige apenas interpretação por parte do aluno. As três imagens, que seguem o estilo de escrita egípcio, tratam da importância da agricultura para a economia local do Antigo ao Novo reino, representando-a em três diferentes estágios: a colheita, o plantio e a preparação da terra. A caça e a pesca completavam tal atividade e o trabalho compulsório caracterizava este sistema asiático de produção. Adicionalmente, a pecuária bovina e o acesso às águas do Nilo constituíam-se em duas vantagens para o sucesso da economia agrícola do Egito Antigo.

Questão 02
Em certos aspectos, os gregos da Antiguidade foram sempre um povo disperso. Penetraram em pequenos grupos no mundo mediterrânico e, mesmo quando se instalaram e acabaram por dominá-lo, permaneceram desunidos na sua organização política. No tempo de Heródoto, e muito antes dele, encontravam-se colônias gregas não somente em toda a extensão da Grécia atual, como também no litoral do Mar Negro, nas costas da atual Turquia, na Itália do sul e na Sicília oriental, na costa setentrional da África e no litoral mediterrânico da França. No interior desta elipse de uns
2500 km de comprimento, encontravam-se centenas e centenas de comunidades que amiúde diferiam na sua estrutura política e que afirmaram sempre a sua soberania.
Nem então nem em nenhuma outra altura, no mundo antigo, houve uma nação, um território nacional único regido por uma lei soberana, que se tenha chamado Grécia (ou um sinônimo de Grécia).

M. I. Finley. O mundo de Ulisses. Lisboa: Editorial Presença, 1972. Adaptado.

Com base no texto, pode-se apontar corretamente
a) a desorganização política da Grécia antiga, que sucumbiu rapidamente ante as investidas militares de povos mais unidos e mais bem preparados para a guerra, como os egípcios e macedônios.
b) a necessidade de profunda centralização política, como a ocorrida entre os romanos e cartagineses, para que um povo pudesse expandir seu território e difundir sua produção cultural.
c) a carência, entre quase todos os povos da Antiguidade, de pensadores políticos, capazes de formular estratégias adequadas de estruturação e unificação do poder político.
d) a inadequação do uso de conceitos modernos, como nação ou Estado nacional, no estudo sobre a Grécia antiga, que vivia sob outras formas de organização social e política.
e) a valorização, na Grécia antiga, dos princípios do patriotismo e do nacionalismo, como forma de consolidar política e economicamente o Estado nacional.




Resposta da questão 02:[D]
Comentário da questão:
O vestibulando deveria utilizar o texto para responder a questão. O texto se refere à organização política da civilização helênica, que nunca se estruturou em um Estado ou sistema centralizado de governo. Pelo contrário, a civilização grega foi marcada pela existência das pólis, espécies de cidades-estados autônomas e independentes uma das outras. Sabendo do conceito de pólis, o candidato assinalaria a alternativa D, excluindo as demais.


Questão 03
A cidade é [desde o ano 1000] o principal lugar das trocas econômicas que recorrem sempre mais a um meio de troca essencial: a moeda. [...] Centro econômico, a cidade é também um centro de poder. Ao lado do e, às vezes, contra o poder tradicional do bispo e do senhor, frequentemente confundidos numa única pessoa, um grupo de homens novos, os cidadãos ou burgueses, conquista “liberdades”,
privilégios cada vez mais amplos.
Jacques Le Goff. São Francisco de Assis. Rio de Janeiro: Record, 2010. Adaptado.

O texto trata de um período em que
a) os fundamentos do sistema feudal coexistiam com novas formas de organização política e econômica, que produziam alterações na hierarquia social e nas relações de poder.
b) o excesso de metais nobres na Europa provocava abundância de moedas, que circulavam apenas pelas mãos dos grandes banqueiros e dos comerciantes internacionais.
c) o anseio popular por liberdade e igualdade social mobilizava e unificava os trabalhadores urbanos e rurais e envolvia ativa participação de membros do baixo clero.
d) a Igreja romana, que se opunha ao acúmulo de bens materiais, enfrentava forte oposição da burguesia ascendente e dos grandes proprietários de terras.
e) as principais características do feudalismo, sobretudo a valorização da terra, haviam sido completamente superadas e substituídas pela busca incessante do lucro e pela valorização do livre comércio.



Resposta da questão 03:[A]
Comentário da questão:
Questão sobre o contexto medieval que exigia do candidato a correta leitura e interpretação do excerto. Os fundamentos do sistema feudal (poder tradicional do clero e do senhor) coexistiam com outras formas de poder e atividades econômicas.
O texto explicita claramente a importância da cidade como principal local de trocas econômicas e dos “homens novos” – burgueses conquistando cada vez mais privilégios.
As outras alternativas poderiam ser descartadas pelos candidatos na medida em que descrevem práticas sociais e políticas incoerentes com o fragmento de Jacques Le Goff.



Questão 04
Uma observação comparada dos regimes de trabalho adotados nas Américas de colonização ibérica permite afirmar corretamente que, entre os séculos XVI e XVIII,
a) a servidão foi dominante em todo o mundo português, enquanto, no espanhol, a mão de obra principal foi assalariada.
b) a liberdade foi conseguida plenamente pelas populações indígenas da América espanhola e da América portuguesa, enquanto a dos escravos africanos jamais o foi.
c) a escravidão de origem africana, embora presente em várias regiões da América espanhola, esteve mais generalizada na América portuguesa.
d) não houve escravidão africana nos territórios espanhóis, pois estes dispunham de farta oferta de mão de obra indígena.
e) o Brasil forneceu escravos africanos aos territórios espanhóis, que, em contrapartida, traficavam escravos indígenas para o Brasil.

Resposta da questão 04:[C]
Comentário da questão:
Questão clássica de comparação entre os regimes de trabalho utilizados na América de colonização ibérica.
O candidato deveria atentar-se para a diferença no emprego da mão-de-obra indígena e africana nas colônias de Espanha e Portugal.
No primeiro caso, foi privilegiada a mão-de-obra indígena através da utilização de formas de trabalho compulsórios como a Mita e Encomienda, embora também fosse utilizada, em menor dimensão, mão-de-obra escrava africana.
No caso de Portugal, esta última foi empregada majoritariamente, principalmente por conta da lucratividade do tráfico de escravos proveniente das relações de exploração que os portugueses mantinham na África

Questão 05

Examine a seguinte imagem, que foi inspirada pela situação
da Índia de 1946.


Legenda:
MOSLEM: muçulmano;
NEW CONSTITUTION: nova Constituição;
CIVIL WAR: guerra civil;
FAMINE: fome.

A leitura correta da imagem permite concluir que ela constitui uma crítica
a) à passividade da ONU e dos países do chamado Terceiro Mundo diante do avanço do fundamentalismo hindu no sudeste asiático.
b) à oficialização da religião muçulmana na Índia, diante da qual seria preferível sua manutenção como Estado cristão.
c) ao colonialismo britânico, metaforicamente representado por animais ferozes prontos a destruir a liberdade do povo hindu.
d) aos políticos que, distanciados da realidade da maioria da população, não seriam capazes de enfrentar os maiores desafios que se impunham à união do país.
e) à desesperança do povo hindu, que deveria, não obstante as dificuldades pelas quais passara durante anos de dominação britânica, ser mais otimista.




Resposta da questão 05:[D]
Comentário da questão:
A imagem ilustra os desafios presentes na criação de um novo país. Especialmente um país como a Índia que possui questões religiosas bastante complexas, em que muçulmanos e hindus precisavam se conciliar. Embora tenha havido grande mobilização social no processo de independência, os líderes religiosos e políticos nem sempre conseguiram conter o afã popular e as disputas entre as diferentes crenças. Na imagem, a fome e a guerra civil ameaçam a nova nação enquanto os políticos estão a salvo no topo da árvore. O desfecho desta questão se dá com a criação de dois países, Índia e Paquistão, que abrigaram, majoritariamente, cada um sua religião.




Questão 06
Se o açúcar do Brasil o tem dado a conhecer a todos os reinos e províncias da Europa, o tabaco o tem feito muito afamado em todas as quatro partes do mundo, em as quais hoje tanto se deseja e com tantas diligências e por qualquer via se procura. Há pouco mais de cem anos que esta folha se começou a plantar e beneficiar na Bahia [...] e, desta sorte, uma folha antes desprezada e quase desconhecida tem dado e dá atualmente grandes cabedais aos moradores do Brasil e incríveis emolumentos aos Erários dos príncipes.
André João Antonil. Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas. São Paulo: EDUSP, 2007. Adaptado.

O texto acima, escrito por um padre italiano em 1711, revela que
a) o ciclo econômico do tabaco, que foi anterior ao do ouro, sucedeu o da cana de açúcar.
b) todo o rendimento do tabaco, a exemplo do que ocorria com outros produtos, era direcionado à metrópole.
c) não se pode exagerar quanto à lucratividade propiciada pela cana de açúcar, já que a do tabaco, desde seu início, era maior.
d) os europeus, naquele ano, já conheciam plenamente o potencial econômico de suas colônias americanas.
e) a economia colonial foi marcada pela simultaneidade de produtos, cuja lucratividade se relacionava com sua inserção em mercados internacionais.

Resposta da questão 06:[E]
Comentário da questão:
Questão de interpretação de texto. Embora a produção do açúcar e a extração do ouro tenham gerado maior riqueza, vários outros produtos como o tabaco, o pau-brasil, o couro, as drogas do sertão e o algodão foram geralmente lucrativos, e coexistiram com os produtos principais; validando a lógica mercantilista, no qual as colônias serviam para enriquecer as metrópoles. O tabaco citado no texto foi amplamente utilizado como produto de troca no lucrativo tráfico de escravos na África e muito procurado nos mercados internacionais.

Questão 07
Considerando-se o intervalo entre o contexto em que transcorre o enredo da obra Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, e a época de sua publicação, é correto afirmar que a esse período corresponde o processo de
a) reforma e crise do Império Português na América.
b) triunfo de uma consciência nativista e nacionalista na colônia.
c) Independência do Brasil e formação de seu Estado nacional.
d) consolidação do Estado nacional e de crise do regime monárquico brasileiro.
e) Proclamação da República e instauração da Primeira República.


Resposta da questão 07:[C]
Comentário da questão:
Questão interdisciplinar envolvendo literatura e história que exigia do candidato relacionar o contexto de produção da obra Memórias de um Sargento de Milícias —1852-1853 — e o contexto do enredo da obra -- início do século XIX, com a vinda da família real portuguesa. A década de 1850 é considerada o período áureo do Romantismo no Brasil, quando se buscava discutir a ideia de identidade nacional e a formação de uma nacionalidade "tipicamente brasileira".
Os quarenta anos que ligam o contexto do enredo e o contexto de produção da obra são exatamente o período do processo de emancipação política e econômica da colônia (vinda da família real), a declaração da independência e o Primeiro Reinado (décadas de 1820 e 1839), e a formação do Estado Nacional Brasileiro - exatamente o início do Segundo Reinado (década de 1850-60).
Essa questão exigia do candidatado um conhecimento da obra e do seu contexto de produção



Questão 08
A colonização, apesar de toda violência e disrupção, não excluiu processos de reconstrução e recriação cultural conduzidos pelos povos indígenas. É um erro comum crer que a história da conquista representa, para os índios, uma sucessão linear de perdas em vidas, terras e distintividade cultural. A cultura xinguana – que aparecerá para a nação brasileira nos anos 1940 como símbolo de uma tradição estática, original e intocada – é, ao inverso, o resultado de
uma história de contatos e mudanças, que tem início no século X d.C. e continua até hoje.
Carlos Fausto. Os índios antes do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.


Com base no trecho acima, é correto afirmar que
a) o processo colonizador europeu não foi violento como se costuma afirmar, já que ele preservou e até mesmo valorizou várias culturas indígenas.
b) várias culturas indígenas resistiram e sobreviveram, mesmo com alterações, ao processo colonizador europeu, como a xinguana.
c) a cultura indígena, extinta graças ao processo colonizador europeu, foi recriada de modo mitológico no Brasil dos anos 1940.
d) a cultura xinguana, ao contrário de outras culturas indígenas, não foi afetada pelo processo colonizador europeu.
e) não há relação direta entre, de um lado, o processo colonizador europeu e, de outro, a mortalidade indígena e a perda de sua identidade cultural.




Resposta da questão 08:[B]
Comentário da questão:
Questão de interpretação de texto que trata da questão indígena no Brasil. Quando os portugueses chegaram ao Brasil existiam centenas de etnias indígenas que representavam uma diversidade cultural muito grande.
Conforme coloca o texto. Muitos grupos indígenas sobreviveram e resistiram ao processo de colonização, assimilando aspectos da cultura do dominador. Alguns grupos indígenas se aliaram aos portugueses ou franceses contra outros "índios", e mesmo como uma estratégia de sobrevivência, outros foram evangelizados pelas missões jesuíticas sem, no entanto, implicar perda total de sua identidade, crenças e cultura.



Questão 09
O Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) foi criado em 1984, inserido em um contexto de
a) abertura política democrática no Brasil e de crescente insatisfação com as políticas agrárias nacionais então vigentes.
b) fortalecimento da ditadura militar brasileira e de aumento da imigração estrangeira para o país.
c) declínio da oposição armada à ditadura militar brasileira e de aumento da migração das cidades para o campo.
d) aumento da dívida externa brasileira e de disseminação da pequena propriedade fundiária em todo o país.
e) crescimento de demanda externa por commodities brasileiras e de grandes progressos na distribuição de terra, no Brasil, a pequenos agricultores. 



Resposta da questão 09:[A]
Comentário da questão:
Podemos considerar os anos 1980 como um período em que cidades brasileiras estavam retomando sua capacidade de fazer política por meio da participação em movimentos sociais. Isto deve-se ao processo de abertura política, iniciado sob o governo Geisel. A mobilização dos trabalhadores rurais se dá na sequência dos movimentos do operariado urbano e no contexto de outras manifestações por direitos, tais como as "Diretas Já". É válido destacar que a fundação do MST se dá no interior de uma articulação crescente entre as comunidades católicas de base, onde predominava a visão progressista da Teologia da Libertação, e líderes rurais em ascensão diante da nova realidade sócio-política que se desenhava no Brasil. O processo de empobrecimento da classe trabalhadora ao longo da Ditadura Civil-Militar foi acompanhada da restrição de manifestações individuais e coletivas, que uma vez liberadas prolongar-se-iam até o impeachment de Collor, em 1991.

Questão 10


Os dados apresentados na tabela se explicam, dentre

outros fatores,
a) pela industrialização significativa em estados do Nordeste do Brasil, sobretudo aquela ligada a bens de consumo.
b) pela forte demanda por força de trabalho criada pela expansão cafeeira nos estados do Sudeste do Brasil.
c) pela democracia racial brasileira, a favorecer a convivência pacífica entre culturas que, nos seus continentes de origem, poderiam até mesmo ser rivais.
d) pelos expurgos em massa promovidos em países que viviam sob regimes fascistas, como Itália, Alemanha e Japão.
e) pela supervalorização do trabalho assalariado nas cidades, já que no campo prevalecia a mão de obra de origem escrava, mais barata.

Resposta da questão 10:[B]
Comentário da questão:
A questão está relacionada ao processo de imigração ocorrido entre as décadas de 1980 e 1920. Após a crise da mão-de-obra escrava, privilegiou-se a entrada de imigrantes, sobretudo para a produção cafeeira no oeste paulista.
Com base nestas informações, a única alternativa correta é a B.



Questão 11
Com base na charge e em seus conhecimentos, avalie as afirmações:


I. O rápido e intenso crescimento econômico chinês se deu às custas da exploração de recursos florestais da União Europeia.
II. A despeito da distinta condição econômica da União Europeia e da China na atualidade, essas economias permanecem interligadas.
III. A dependência econômica da China em relação à União Europeia assenta-se no consumo do etanol europeu.
IV. Enquanto parte da União Europeia vive uma crise econômica, a economia chinesa cresce.

Está correto apenas o que se afirma em
a) I e II.
b) I, II e III.
c) III e IV.
d) I, III e IV.
e) II e IV.



Resposta da questão 11:[E]
Comentário da questão:
As afirmações corretas só podem ser identificas a partir de uma leitura cuidadosa da charge. Fica clara a interligação entre China e a Europa (conectadas, na charge, pela raiz das plantas) e também a ideia de que a economia européia ajuda a alimentar a expansão econômica chinesa.



Questão 12
Considere que a motorização de um país constitui um importante indicador para o planejamento dos transportes e da mobilidade urbana. Esse indicador pode ser obtido, por exemplo, com base na relação entre o número de habitantes e o de autoveículos, tal como expresso no gráfico abaixo. Destaque-se o fato de que, quanto menor essa relação, maior a motorização de um país.


Com base no gráfico e em seus conhecimentos, é correto afirmar que a motorização
a) aumentou, discretamente, na Alemanha, graças à estabilidade econômica do país.
b) diminuiu, sensivelmente, no Brasil, em função das altas taxas de juros para o financiamento de autoveículos.
c) manteve-se alta nos Estados Unidos, no Japão e na França, apesar da reconhecida qualidade do transporte público desses países.
d) diminuiu na Argentina e na Coreia do Sul, em decorrência da recessão econômica que atingiu esses países.
e) manteve-se baixa na Itália, apesar de fortes investimentos na indústria automobilística.


Resposta da questão 12:[C]
Comentário da questão: 
O gráfico ilustra a variação do número de habitantes por veículos entre 2003 e 2012. Chama a atenção o grande aumento do número de veículos entre os países emergentes (redução do número de habitantes por carro) que não foi acompanhada por EUA, França e Japão que mantiveram suas taxas praticamente constantes.


Questão 13
Um tema recorrente no debate contemporâneo é a migração global. A Organização das Nações Unidas estima que existam 232 milhões de migrantes em todo o mundo (ONU, 2013). Há, atualmente, mais mobilidade que em qualquer outra época da história mundial. 
Comparando a migração atual com a do século XIX, é correto afirmar:
a) Até o século XIX, as nações norte-americanas destacaram-se como emissoras de migrantes, enquanto, hoje em dia, encontram-se entre as principais receptoras desses fluxos, sobretudo os originários do continente africano.
b) Diferentemente do que ocorreu no século XIX, os recursos envolvidos são um traço diferenciador na atualidade, pois remessas enviadas por migrantes originários de nações pobres, como Haiti e Jamaica, são, muitas vezes, utilizadas para sustentar suas famílias no país de origem, além de representarem parte significativa do PIB desses países.
c) Países europeus, como Irlanda, Itália, Grécia e Espanha, foram importantes emissores de migrantes no século XIX e continuam a figurar, hoje em dia, dentre os países com maior fluxo migratório para os EUA.
d) No século XIX, a emissão e a recepção de migrantes concentravam-se na Europa, enquanto, na atualidade, a emissão restringe-se à América do Sul e a recepção tem alcance global.
e) O movimento migratório do continente africano para a Ásia foi significativo no século XIX e, atualmente, apresenta importante crescimento decorrente de políticas de cooperação internacional (Ásia/África) para o desenvolvimento socioeconômico africano, especialmente para Angola e África do Sul.


Resposta da questão 13:[B]
Comentário da questão:
No mundo atual, as remessas de dinheiro oriundas dos migrantes de países pobres, radicados em países ricos, são muito maiores que no século XIX, que acabam contribuindo de forma decisiva para a economia dos países de origem, como Haiti, Cuba e outros. 



Questão 14
O grupo Boko Haram, autor do sequestro, em abril
de 2014, de mais de duzentas estudantes, que,
posteriormente, segundo os líderes do grupo, seriam
vendidas, nasceu de uma seita que atraiu seguidores com
um discurso crítico em relação ao regime local. Pregando
um islã radical e rigoroso, Mohammed Yusuf, um dos
fundadores, acusava os valores ocidentais, instaurados
pelos colonizadores britânicos, de serem a fonte de todos os
males sofridos pelo país. Boko Haram significa “a educação
ocidental é pecaminosa” em haussa, uma das línguas
faladas no país.
www.cartacapital.com.br. Acessado em 13/05/2014. Adaptado.


O texto se refere
a) a uma dissidência da Al Qaeda no Iraque, que passou a atuar no país após a morte de Sadam Hussein.
b) a um grupo terrorista atuante nos Emirados Árabes, país economicamente mais dinâmico da região.
c) a uma seita religiosa sunita que atua no Sul da Líbia, em franca oposição aos xiitas.
d) a um grupo muçulmano extremista, atuante no Norte da Nigéria, região em que a maior parte da população vive na pobreza.
e) ao principal grupo religioso da Etiópia, ligado ao regime
político dos tuaregues, que atua em toda a região do Saara.




Resposta da questão 14:[D]
Comentário da questão:
A Nigéria é um país que possui uma região com características étnico religiosa bem claras: ao norte predomina o islamismo onde, aparece o grupo mulçumano extremista Boko Haram, que prega o islã radical. Esse grupo nega os valores ocidentais instaurados pelos colonizadores britânicos onde se situa a maior parte da população pobre do país.




Questão 15
O efeito estufa e o lixo são, talvez, as duas manifestações mais contraditórias da vontade de dominação da natureza posta em prática pela racionalidade instrumental e sua tecnociência. Com o objetivo de aumentar a produtividade, que na prática significa submeter os tempos de cada ente, seja ele mineral, vegetal ou animal, a um tempo da concorrência e da acumulação de capital, esqueceu-se de que todo trabalho dissipa energia sob forma de calor (efeito estufa) e que a desagregação da matéria, ao longo do tempo, torna-a irreversível (lixo).

Carlos W. Porto-Gonçalves. A Globalização da Natureza e a Natureza da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006. Adaptado.

Conforme o excerto acima, é correto afirmar:
a) Com o aumento da produtividade, será possível vencer o efeito estufa e superar o problema da produção de lixo.
b) A humanidade superou os problemas decorrentes da produção de lixo, graças à racionalidade instrumental e à tecnociência.
c) Os tempos da concorrência e da acumulação de capital vêm sendo subordinados ao tempo da natureza.
d) A aceleração do tempo de acumulação de capital permite eliminar a irreversibilidade da produção do lixo.
e) A busca pelo aumento da produtividade impõe a diferentes elementos da natureza o tempo dos interesses capitalistas.


Resposta da questão 15:[E]
Comentário da questão:
O texto apresenta uma grande preocupação com o efeito estufa e o lixo, sendo que as exigências das sociedades acabam colocando a biocapacidade do planeta em risco.

Questão 16
Observe a figura, com destaque para a Dorsal Atlântica.



Avalie as seguintes afirmações:
I. Segundo a teoria da tectônica de placas, os continentes africano e americano continuam se afastando um do outro.
II. A presença de rochas mais jovens próximas à Dorsal Atlântica comparada à de rochas mais antigas, em locais mais distantes, é um indicativo da existência de limites entre placas tectônicas divergentes no assoalho oceânico.
III. Semelhanças entre rochas e fósseis encontrados nos continentes que, hoje, estão separados pelo Oceano Atlântico são consideradas evidências de que um dia esses continentes estiveram unidos.
IV. A formação da cadeia montanhosa Dorsal Atlântica resultou de um choque entre as placas tectônicas norte-americana e africana.



Está correto o que se afirma em
a) I, II e III, apenas.
b) I, II e IV, apenas.
c) II, III e IV, apenas.
d) I, III e IV, apenas.
e) I, II, III e IV.

Resposta da questão 16:[A]
Comentário da questão:
A Dorsal Atlântica é o testemunho do afastamento entre os continentes americano e africano, onde afloram rochas  mais jovens em relação as mais antigas. A região também fornece evidências, por intermédio de rochas fósseis, das  semelhanças entre os dois continentes que no passado estiveram unidos.


Questão 17
São objetivos do Plano Diretor SP: promover melhor aproveitamento do solo nas proximidades do sistema estrutural de transporte coletivo com aumento na densidade construtiva, demográfica, habitacional e de atividades urbanas; incrementar a oferta de comércios, serviços e emprego em áreas pobres da periferia; ampliar a oferta de habitações de interesse social nas proximidades do sistema estrutural de transporte coletivo.

Diário Oficial. Cidade de São Paulo, 01/08/2014. Adaptado.
É correto afirmar que tais medidas visam a
a) estimular a aproximação espacial entre moradia, emprego e serviços na cidade.
b) inibir a verticalização em áreas próximas a vias de circulação e nas periferias.
c) reduzir a densidade demográfica em áreas próximas ao sistema estrutural de transporte coletivo.
d) coibir a distribuição espacial do setor terciário em áreas pobres da periferia.
e) restringir a concentração espacial de habitações de interesse social a áreas periféricas da cidade.

Resposta da questão 17:[A]
Comentário da questão:
O plano diretor promove um melhor aproveitamento do solo nas proximidades do sistema estrutural de transporte, estimulando a aproximação espacial entre moradia, emprego e serviços na cidade.


Questão 18


Com base nos mapas e em seus conhecimentos, é correto afirmar que a produção de leite no Brasil, no período retratado,
a) cresceu na região Nordeste, devido à substituição das plantações de algodão, na Zona da Mata, pelos rebanhos leiteiros.
b) avançou em direção aos estados do Norte e do Centro-Oeste, em função da predominância, nessas regiões, de climas mais secos.
c) consolidou a hegemonia de Minas Gerais, graças à alta produtividade alcançada com o melhoramento genético dos rebanhos no Vale do Jequitinhonha.
d) aumentou, tanto em quantidade produzida quanto em número de estados produtores, graças, em grande parte, ao crescimento do consumo interno.
e) abarcou todo o território nacional, excetuando-se os estados recobertos pela floresta amazônica, devido à presença de
unidades de conservação.

Resposta da questão 18:[D]
Comentário da questão:
A leitura atenta do mapa permite identificar com clareza as tendências de expansão da economia leiteira, normalmente associada aos grandes centros demográficos e respectivos mercados consumidores. O mapa de 2006 destaca o surgimento de vários estados produtores até então pouco expressivos, cuja expansão se encontra intimamente relacionada com o aumento do consumo no mercado interno.




Questão 19
Leia o seguinte texto.
O quilombola Francisco Sales Coutinho Mandira até tentou sair da lama, mas logo percebeu que o mangue era o seu lar. Tivesse investido em continuar como ajudante de pedreiro, quando ficou dois anos fora do quilombo que leva seu sobrenome, certamente hoje não conheceria África do Sul, Dinamarca e Itália. Tudo porque organizou os quilombolas para fazer uso racional dos recursos naturais.
Fez tão bem que virou exemplo internacional (...). A mudança começou em 1993, quando pesquisadores da USP e órgãos do governo passaram a divulgar o conceito de reserva extrativista, em que populações tradicionais continuam retirando seu sustento da natureza, mas de forma planejada.
Revista Unesp Ciência, maio de 2014.

Sobre o ecossistema manguezal, é correto afirmar:
a) É formado por uma rica biodiversidade vegetal, com presença principal de coníferas e nele vivem sobretudo crustáceos, os quais servem de alimento e renda para populações costeiras.
b) Define-se como formações rasteiras ou herbáceas que atingem até 60 cm, constituindo ambiente propício à reprodução de espécies marinhas e favorável à pesca artesanal, fonte de renda para populações tradicionais.
c) É constituído de solo predominantemente lodoso, deficiente em oxigênio, com espécies vegetais adaptadas à flutuação de salinidade, onde se reproduzem espécies de peixes, moluscos e crustáceos, fonte de alimento e renda para populações tradicionais.
d) Corresponde a cordão arenoso coberto por vegetação rasteira, rico em nutrientes, onde se alimentam mamíferos, aves, peixes, moluscos e crustáceos, constituindo-se fonte de alimento e renda para populações costeiras.
e) Caracteriza-se por vegetação caducifólia, predominam temente arbustiva, de raízes muito profundas e galhos retorcidos, abrigando o mineral ferro, com grande valor de mercado, o qual constitui fonte de renda para populações tradicionais.


Resposta da questão 19:[C]
Comentário da questão: 
O ecossistema dos manguezais é um dos mais importantes ambientes para o equilíbrio ecológico e sobrevivência de populações locais / tradicionais. Adaptações às elevadas taxas de salinidade e baixa disponibilidade de oxigênio são características marcantes que, aliadas à disponibilidade de alimentos e abrigo das ondas do mar, fazem dos mangues um verdadeiro “berçário marinho”.


FONTE: Oficina do Estudante