segunda-feira, 10 de setembro de 2012

O golpe: militares e civis na trama de 1964



 Saiba mais sobre o golpe de 1964

Orientação de estudos: O golpe de 1964
1. (Unesp) Manifestações de repúdio ao Governo Goulart precederam o movimento militar que golpeou as instituições do país a partir de 31 de março de 1964. Nos protestos veiculavam soluções salvacionistas sobre a pátria, a ordem democrática, a liberdade, Deus e a família, habilmente articuladas por forças políticas de direita, membros da Igreja Católica, grandes proprietários rurais, banqueiros e empresários nacionais e estrangeiros, que visavam a adesão do povo. Ao final de 1965, estava na praça a seguinte peça musical de Zé Queti: "Marchou com Deus pela democracia, agora chia, agora chia (...)". Com base no texto:
a) esclareça o rumo que os militares, detentores do poder, imprimiram ao regime instalado;
b) a partir da expressão "agora chia", procure indicar a quem o autor da composição dirigia sua sátira.


resposta:
a) Regime autoritário, sem democracia.
b) A aqueles que inicialmente apoiaram as forças reacionárias, ligadas a igreja católica.

2. (Uece) O período imediatamente anterior ao golpe de 64 foi de intensas movimentações sociais e manifestações públicas. Sobre as "passeatas" que ocorreram durante este período, pode-se dizer corretamente:
a) não só a "esquerda" se movimentou, mas também outros setores manifestaram-se publicamente, como as "Marchas da Família com Deus pela Liberdade" organizadas por grupos conservadores contra o governo de João Goulart
b) foram monopolizadas pelas organizações comunistas lideradas pelo Partido Comunista do Brasil para derrubar o governo populista de João Goulart e impedir a efetivação das reformas de base
c) as manifestações de rua foram intensamente reprimidas pelas organizações de soldados e marinheiros que se formaram para defender o governo e a hierarquia militar ameaçada pelos comunistas
d) as passeatas aconteceram somente em São Paulo e Belo Horizonte, refletindo o descontentamento destas cidades para com o governo centralizador de Juscelino Kubitschek


resposta:[A]

3. (Cesgranrio) O golpe que derrubou o Presidente João Goulart, em 1964, representou a culminância de uma crise iniciada no final da década anterior. Assinale a opção que NÃO apresenta um elemento dessa crise.
a) O apoio da maioria conservadora do Congresso Nacional ao programa de Reformas de Base.
b) As resistências à posse de João Goulart, quando da renúncia de Jânio Quadros.
c) O agravamento do quadro econômico com a ascensão da inflação.
d) A politização crescente de vários movimentos sociais, como as Ligas Camponesas.
e) Os movimentos de indisciplina militar de marinheiros e sargentos.


resposta:[A]

4. (Unesp) O movimento de 31 de março de 1964 foi o estágio final de um longo processo iniciado na Década de 40, após o término da Segunda Guerra Mundial. Revele o tipo de regime político que derivou do golpe militar e o que ele significou para a sociedade brasileira.


resposta:
Após o golpe de 1964 que depôs o presidente constitucional João Goulart, ocorreu a implantação de uma ditadura que contou com amplo apoio de diversos segmentos da sociedade brasileira. Esse fato teve grandes repercussões para a sociedade visto que diversas liberdades individuais foram arbitrariamente cerceadas ao longo dos 21 anos de duração do regime, principalmente durante os chamados “anos de chumbo” (1969-1974) que representam o auge da repressão política contra os opositores desse governo.


5. (Cesgranrio) A vitória do golpe militar de 1964 foi fruto da:
a) decisão dos militares de implementarem o programa nacionalista e reformista proposto pelo Governo Goulart, desde que o povo não participasse ativamente das decisões políticas.
b) crise do Estado Populista, da radicalização do movimento de massas exigindo reformas de base e da retirada do apoio ao Governo Goulart de significativos setores da burguesia nacional.
c) incapacidade do Governo Goulart de levar avante a luta anti-imperialista e do compromisso dos militares com o programa de nacionalização das empresas estrangeiras, defendido pela burguesia nacional.
d) união dos interesses dos militares e do capital estrangeiro contra a totalidade dos interesses da burguesia nacional, defensoras ferrenhas do nacionalismo econômico.
e) decisão da maioria absoluta do Congresso de votar as reformas de base e do descontentamento dos militares, que representavam as forças conservadoras e os interesses americanos.


resposta:[B]


6. (Ufrs) Em relação ao golpe de 1964, que expressa o colapso do populismo no Brasil, são feitas as seguintes afirmações:
I - As classes dominantes civis e militares e setores das classes médias apoiaram a derrubada do Presidente João Goulart, pois ficaram temerosos com a crescente politização das massas populares.
II - Entre as forças da chamada direita destacavam-se organizações como o Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais (IPES) e o Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD) financiadas pelos E.U.A.
III - Os governadores de São Paulo, de Minas Gerais e da Guanabara conspiravam com a ala militar golpista.

Quais estão corretas?
a) Apenas I
b) Apenas II
c) Apenas III
d) Apenas I e II
e) I, II e III




resposta:[E]


7. (Mackenzie) A democracia populista durante o governo Goulart apoiou várias reivindicações populares que assustaram os setores conservadores, terminando por acelerar o golpe de 1964. Dentre elas citamos:
a) as reformas de base.
b) a extinção dos partidos políticos.
c) o fim da política externa independente.
d) o monopólio estatal sobre os meios de comunicação.
e) a preservação da estrutura fundiária do país.




resposta:[A]


8. (Puccamp) "... Até o momento em que se constata o malogro do Plano Trienal (que tinha por objetivo controlar a inflação, retomar o crescimento econômico, restringir o crédito, conter o déficit público, limitar os ganhos salariais etc.), o governo conseguiu um relativo apoio político de expressivos setores da burguesia industrial brasileira (...). Mas, diante da incapacidade do Executivo - de um lado, em reverter a tendência de estagnação da economia e, de outro, em por fim às crescentes reivindicações e greves das classes trabalhadoras - a quase totalidade da burguesia nacional passou a conspirar ativamente contra o governo. (...) A crescente radicalização política do movimento popular e dos trabalhadores, pressionando o Executivo a romper os limites do pacto populista , levou o conjunto das classes dominantes e setores das classes médias -apoiados e estimulados por agências governamentais norte-americanas e empresas multinacionais- a condenar o governo..."

O texto descreve um fenômeno que pode ser associado a fatores responsáveis, no Brasil,
a) pela Revolução de 1930.
b) pela redemocratização após 1945.
c) pelo golpe de 1964.
d) pela abertura política a partir de 1980.
e) pelo movimento das "Diretas-Já" em 1984.




resposta:[C]

9. (Ufrs) No período imediatamente anterior ao golpe de 31 de março de 1964, podemos visualizar dois grandes grupos políticos, formados por:

1 - aqueles que apoiam o governo João Goulart e seu programa de reformas;
2 - aqueles que conspiram para a derrubada do governo João Goulart.

Relacione os nomes a seguir com as orientações políticas numeradas anteriormente:
( ) Leonel Brizola
( ) Carlos Lacerda
( ) Magalhães Pinto
( ) Miguel Arraes
( ) Adhemar de Barros

A seqüência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é
a) 1 - 2 - 2 - 1 - 2
b) 1 - 1 - 2 - 1 - 2
c) 2 - 2 - 2 - 1 - 1
d) 2 - 1 - 1 - 2 - 2
e) 1 - 1 - 1 - 2 - 2


resposta:[A]


10. (Unirio) A história brasileira no início dos anos 60, culminando com o Golpe de 1964, foi marcada por uma sucessão de problemas dentre os quais está a:
a) política de estabilização econômica adotada no governo João Goulart.
b) manifestação militar a favor da renúncia de Jânio Quadros e pela posse de João Goulart.
c) rápida tramitação no Congresso Nacional do programa de "Reformas de Base".
d) oposição dos setores conservadores, inclusive expressiva parcela das forças armadas, ao presidente João Goulart.
e) opção parlamentarista de João Goulart, sustentada na aliança do governo federal com os governadores estaduais.




resposta:[D]


11. (Ufes) "A radicalização de posições entre a esquerda e a direita, num confronto cada vez mais aberto e violento, paralisava o Governo João Goulart...". "Sob o comando das Centrais Sindicais, greves gigantescas se multiplicavam por todo o país, nos tempos de Jango".
(VALADARES, V.T. et al."História": assim caminha a humanidade, 1993, p.50.)

Os trechos citados se referem ao Governo João Goulart, contexto no qual ocorreu o Golpe de 1964 desencadeado pela
a) anistia para presos políticos com o fim de apaziguar o radicalismo do Partido Comunista que funcionava clandestinamente.
b) crise internacional do petróleo, que determinou a entrega da produção e do refinamento do produto aos grupos estrangeiros, com o conseqüente fechamento da Petrobrás.
c) tentativa de aprovação das chamadas reformas de base feitas por João Goulart e pela crise no quadro geral do governo acelerada pelo Comício da Central do Brasil, fatos que provocaram a reação de setores conservadores.
d) aprovação da Lei Falcão pela Justiça Eleitoral, que limitava a propaganda dos candidatos militares no rádio e na televisão, para impedir que esses candidatos se elegessem.
e) elaboração do Plano Trienal do governo, que criava uma nova ordem político-administrativa, prevendo a implantação do Parlamentarismo em três anos.




resposta:[C]

12. (Mackenzie) Naquele comício, passando por cima das decisões do Congresso, João Goulart decretou a nacionalização das refinarias particulares de petróleo e assinou a reforma agrária (...) Jango saiu daquele comício carregado em triunfo nos braços do povo. (Francisco de Assis Silva - "História do Brasil") Estes acontecimentos provocaram:
a) o fim do pacto populista e o golpe de 1964, liderado pelos segmentos conservadores que temiam o avanço das forças populares e das reformas sociais.
b) a consolidação do governo João Goulart e a execução das reformas de base.
c) a mobilização maciça das forças armadas para sustentar militarmente o governo Goulart.
d) a negociação entre governo e setores conservadores, adotando-se a solução Parlamentarista.
e) o acirramento dos conflitos no campo entre forças populares e conservadoras, forçando o governo Goulart a renunciar à presidência.





resposta:[A]

13. (Mackenzie) Dentre os fatores responsáveis pelo colapso do populismo e a queda do governo Goulart através do Golpe de 1964, apontamos:
a) o esgotamento do modelo populista e a polarização ideológica, desencadeando a reação dos segmentos conservadores.
b) a ausência total de um dispositivo sindical que apoiasse o governo Goulart.
c) as reformas de base que geraram a reação das camadas populares, retirando o apoio ao Presidente Goulart.
d) o sucesso econômico do Plano Trienal, embora resultasse na insatisfação dos setores populistas em virtudes dos sacrifícios impostos ao país.
e) o descontentamento dos militares de baixa patente, reprimidos em suas reivindicações pelo governo.





resposta:[A]

14. (Ufscar) O nome de República Populista designa o período histórico que se estende da queda de Getúlio Vargas em 1945 ao golpe militar de 1964. Alguns presidentes da República, por razões diversas, não completaram seus mandatos neste período.
a) Indique os nomes destes presidentes.
b) Em março de 1964, o presidente João Goulart participou de um comício no Rio de Janeiro com a finalidade de formalizar o início das reformas de base. Que medidas foram tomadas pelo presidente em consonância com este projeto de reformas e quais foram as suas conseqüências?


resposta:
a) Getúlio Vargas que cometeu suicídio em 1954, Jânio Quadros que renunciou em 1961 e João Goulart que foi deposto por um golpe civil-militar em 1964.
b) No dia 13 de março daquele ano, no comício em frente à Estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro, que reuniu aproximadamente trezentas mil pessoas, João Goulart decretou a nacionalização das refinarias privadas de petróleo, a desapropriação terras, segundo ele para a reforma agrária, de propriedades às margens de ferrovias, rodovias e zonas de irrigação de açudes públicos, desencadeando uma crise no país, com a economia já desordenada e o panorama político confuso. A oposição militar veio à tona para impedir que tais reformas se consolidassem, arquitetando um golpe que culminou na deposição do presidente da República.


15. (Unicamp) O Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD) e o Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais (IPES) se destacaram na oposição ao governo de João Goulart (1961-1964) e no combate ao comunismo. Ambos financiavam dezenas de programas semanais de rádio, como o "Cadeia de Democracia", opondo-se a emissoras de orientação legalista, como a Rádio Mayrink Veiga, fechada após o golpe militar de 1964.
(Adaptado de René A. Dreifuss, 1964: "A conquista do Estado". Petrópolis: Vozes, 1981, p. 149 e de Lia Calabre, "A era do rádio". Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004, p. 50).
a) Por que o rádio era o meio de comunicação mais cobiçado pelos políticos no período apontado no texto?
b) Por que instituições como as mencionadas no texto consideravam João Goulart um presidente comunista?
c) Quais os significados da expressão "orientação legalista", acima mencionada, no contexto do governo de João Goulart e no contexto do regime militar de 1964?


resposta:
a) Desde a década de 1930, o rádio era o meio de comunicação de maior repercussão, mesmo após o surgimento das emissoras de TV, na década de 1950. Tal fato se explica pela existência de cadeias de rádiodifusão integrando boa parte do país e pelo acesso relativamente fácil ao aparelho receptor, consumido principalmente pelas camadas mais baixas da sociedade. Desta forma, tanto a propaganda legalista de apoio a João Goulart como a propaganda anticomunista, que muito contribuiu para a sua queda em março de 1964, foram intensamente difundidas por este meio.

b) O governo João Goulart retomou a perspectiva nacionalista herdada da era Vargas e assumiu um programa reformista tido como radical pelos setores conservadores da sociedade. A defesa da reforma agrária, da limitação das remessas de lucros das empresas estrangeiras ao exterior e do congelamento dos aluguéis e preços básicos afrontava diretamente os interesses do grande capital. Foi esse setor que fez do IBAD, do IPES, assim como da UDN e setores militares seus instrumentos para a propaganda desestabilizadora do governo. O anticomunismo apresentava-se como bandeira adequada ao movimento, em vista do apoio das esquerdas aos projetos de Jango.

c) No contexto do governo João Goulart, a expressão “orientação legalista” significava o apoio à ordem constitucional vigente, independentemente da orientação política do governo, e o repúdio às atitudes golpistas, sejam as tomadas abertamente — como, por exemplo, pela UDN e pelos órgãos de imprensa a ela ligados — ou as adotadas de maneira subliminar, que caracterizavam a ação do IBAD e do IPES. Após o golpe militar, ocorreu uma total inversão de valores, e a “orientação legalista” implicava legalizar a ilegalidade de um regime oriundo de um golpe de Estado e jogar na ilegalidade aqueles que se opunham à ruptura da ordem constitucional.



2 comentários: