segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Atividades de fixação: Período populista e democrático no Brasil


Período populista (1946-1964): do governo Dutra ao governo João Goulart

1. (PITÁGORAS) Nas eleições presidenciais de dezembro de 1945, podiam-se ler cartazes com os seguintes dizeres:

Brasileiros!

ELE disse:

Para Presidente:

Eurico Dutra.

Na propaganda acima, o pronome ELE refere-se a

a) Juscelino Kubitschek.

b) Getúlio Vargas.

c) Café Filho.

d) João Goulart.

e) Jânio Quadros.

resposta: [B]

2. (PITÁGORAS) No início de outubro de 1950, na pequena cidade de São Borja, Getúlio Vargas deparou-se com uma faixa extremamente representativa do sentimento da população brasileira daquele período.

“NO SENHOR NÓS VOTAREMOS. EM QUEM O SENHOR MANDAR, NUNCA MAIS!”

Analisando a citação acima, é correto concluir, EXCETO:

a) O ex-presidente Vargas mantinha um grande prestigio junto aos brasileiros.

b) A população brasileira estava descontente com o governo Dutra.

c) O presidente Dutra contou com o apoio político de Vargas nas eleições de 1945.

d) O político Vargas perdeu a fidelidade do eleitorado brasileiro nos anos 50.

resposta: [D]

3. (Ufpel) ORAÇÃO GETULISTA

Creio em Getúlio Vargas, todo poderoso, criador das leis trabalhistas. Creio no Brasil e no seu filho, nosso patrono, o qual foi concebido pela revolução de 30. (...) Creio em seu retorno ao palácio do Catete, na comunhão dos pensamentos, na sucessão Presidencial. Amém.

NOTA – Para o bem da nação tire cópias desta oração e envie a seus amigos patriotas.

CARDOSO, Oldimar

O panfleto, ao se referir ao retorno de Vargas ao Palácio do Catete, demonstra ter sido propaganda da campanha eleitoral de

a) 1930, utilizada pela Aliança Liberal.

b) 1934, após o presidente ter sido deposto pela Revolução Constitucionalista de 1932.

c) 1950, quando o gaúcho foi eleito com um projeto nacionalista.

d) 1937, quando o PTB seguiu as determinações da Constituição “polaca”.

e) 1945, período que instaurou a democratização do país.

resposta: [C]

4. (UFRJ 2008) “Em 1950, candidato pelo PTB,Getúlio Vargas retornou à Presidência. Resolvido a diferenciar-se do ditador estadonovista, o novo presidente retomaria o trabalhismo. (...) Na sua plataforma estavam os ideais do desenvolvimento, nacionalismo e distributivismo, elementos que cativaram diversos segmentos da sociedade”.

Fonte: Silva, Fernando Teixeira da & Negro, Antônio Luigi. Trabalhadores, sindicatos e política (1945-1964).

a) INDIQUE uma medida adotada pelo segundo governo Vargas (1950-1954).

resposta: A criação da Petrobrás em 1953.

b) EXPLICITE sua relação com um dos ideais referidos no texto.

resposta: O nacionalismo econômico defendido por Vargas.

5. (ENEM) Zuenir Ventura, em seu livro “Minhas memórias dos outros” (São Paulo: Planeta do Brasil, 2005), referindo-se ao fim da “Era Vargas” e ao suicídio do presidente em 1954, comenta: Quase como castigo do destino, dois anos depois eu iria trabalhar no jornal de Carlos Lacerda, o inimigo mortal de Vargas (e nunca esse adjetivo foi tão próprio). Diante daquele contexto histórico, muitos estudiosos acreditam que, com o suicídio, Getúlio Vargas atingiu não apenas a si mesmo, mas o coração de seus aliados e a mente de seus inimigos. A afirmação que aparece “entre parênteses” no comentário e uma consequência política que atingiu os inimigos de Vargas aparecem, respectivamente, em:

a) a conspiração envolvendo o jornalista Carlos Lacerda é um dos elementos do desfecho trágico e o recuo da ação de políticos conservadores devido ao impacto da reação popular.

b) a tentativa de assassinato sofrida pelo jornalista Carlos Lacerda por apoiar os assessores do presidente que discordavam de suas idéias e o avanço dos conservadores foi intensificado pela ação dos militares.

c) o presidente sentiu-se impotente para atender a seus inimigos, como Carlos Lacerda, que o pressionavam contra a ditadura e os aliados do presidente teriam que aguardar mais uma década para concretizar a democracia progressista.

d) o jornalista Carlos Lacerda foi responsável direto pela morte do presidente e este fato veio impedir definitivamente a ação de grupos conservadores.

e) o presidente cometeu o suicídio para garantir uma definitiva e dramática vitória contra seus acusadores e oferecendo a própria vida Vargas facilitou as estratégias de regimes autoritários no país.

resposta:[A]

6. (UERJ) A CULPA É DO GOVERNO

Bossa-nova mesmo é ser presidente desta terra descoberta por Cabral.

Para tanto basta ser tão simplesmente simpático... risonho... original.

(Juca Chaves)

RETRATO DO VELHO

Bota o retrato do velho outra vez

Bota no mesmo lugar

O sorriso do velhinho

Faz a gente se animar, oi. (...)

O sorriso do velhinho

Faz a gente trabalhar.

(Marino Pinto e Haroldo Lobo)

Os estilos de governar de Getúlio Vargas e de Juscelino Kubitschek são abordados nas letras de música acima. Um elemento comum das políticas econômicas destes dois governos está indicado na seguinte alternativa:

a) trabalhismo

b) monetarismo

c) industrialismo

d) corporativismo

resposta: [C]

7. (UERJ) A proposição de planos de trabalho para o desenvolvimento nacional tornou-se comum entre os governos brasileiros, principalmente após a Segunda Guerra Mundial. No caso do período JK, o Plano de Metas apresentava de forma ambiciosa 31 objetivos a serem atingidos no espaço de cinco anos de mandato (1956-1960).

Considere as informações contidas na linha de tempo abaixo



A partir desses dados, identifique dois problemas que dificultaram o cumprimento dos objetivos apresentados para o ano de 1956 e duas conseqüências da aplicação do plano – uma social e outra econômica – no chamado “período de recuperação econômica”.

resposta: Dificultaram o cumprimento dos objetivos apresentados para o ano de 1952: a falta de infra-estrutura, a falta de apoio do Congresso Nacional, a oposição da UDN, entre outros fatores. Duas consequências da aplicação do plano Social: disparidades regionais, aumento do custo de vida e do desemprego, etc.

No plano econômico: aumento da inflação e da dívida externa, desnacionalização da nossa economia, etc.

8. (UFLA) O presidente Juscelino Kubitschek visita a fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo (SP), em novembro de 1959. Nesse período, a indústria brasileira ingressa definitivamente no restrito clube de países que dominam a tecnologia de fabricação de automóveis.


Crédito: Divulgação - Volkswagen do Brasil

A foto e o texto indicam a política adotada por JK durante seu governo.

Analise as alternativas abaixo e assinale a que NÃO apresenta relação com as medidas adotadas por esse governo.
a) Em seus discursos, o referido presidente divulga a idéia de um amplo desenvolvimento industrial e infra-estrutural, com o slogan "50 anos em 5".
b) Ao adotar o "Plano de Metas", JK privilegia setores de infra-estrutura, como transporte e produção (ou geração) de energia.
c) Com a política de incentivos governamentais, como a redução de tarifas, várias multinacionais foram implantadas em nosso território.
d) A criação da Petrobrás e da Eletrobrás, ambas estatais, serviriam como estratégia para a implantação de indústrias automobilísticas.
e) Promoção do desenvolvimento regional, com destaque para a criação da SUDENE e abertura de novas estradas no interior do País.

resposta: [D]

9. (UEL) Em um de seus discursos, o presidente Juscelino Kubitschek afirmou: "O puro, o nobre e inteligente nacionalismo não se confunde com xenofobia. Da mesma maneira que a independência política de uma nação não significa animosidade contra os estrangeiros, nem a recusa aos intercâmbios econômicos ou relações financeiras com os países mais ricos ou mais favorecidos em valores econômicos".

(In: CARDOSO, Miriam Limoeiro. "Ideologia do Desenvolvimento". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. p. 158.)

Com base no texto e nos conhecimentos sobre o período JK, é correto afirmar:
a) O discurso nacionalista sob a ótica desenvolvimentista de JK possuía conteúdo semelhante àquele estabelecido na Era Vargas: ambos minimizaram a importância do capital externo.
b) A ideologia do "desenvolvimentismo" no período JK assumiu a entrada de capitais estrangeiros no país como um recurso legítimo que expressava o verdadeiro patriotismo.
c) O "desenvolvimentismo" do período JK objetivou a consolidação da vocação agrícola da economia brasileira, promovendo a "Marcha para Oeste", política que alavancou a agricultura de exportação.

d) Para a indústria brasileira, que passava por uma fase de retração, o"desenvolvimentismo" de JK foi pernicioso, pois propunha um nacionalismo xenófobo.
e) O "Plano de Metas", programa de governo do então candidato JK, colocado em prática logo após sua eleição, visava primordialmente ao desenvolvimento da agricultura de exportação, instituindo, para esse fim, o "confisco cambial".

resposta: [B]

10. (UERJ) Existem dois países, entre os quais é difícil distinguir o verdadeiro; na fazenda do interior, o homem do campo trabalha de enxada e transporta uma colheita insignificante em carroças rangentes (...); na cidade de São Paulo, a cada hora termina-se um prédio.

(LAMBERT, Jacques. Os dois Brasis. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1984.)

META DE FAMINTO JK - Você agora tem automóvel brasileiro, para correr em estradas pavimentadas com asfalto brasileiro, com gasolina brasileira. Que mais quer? JECA - Um prato de feijão brasileiro, seu doutô!

(THÉO, 1960. In: LEMOS, Renato. "Uma história do Brasil através da caricatura". Rio de Janeiro: Bom Texto, Letras e Expressões, 2001.)

O texto e a charge representam, de formas diferentes, um dos principais dilemas do desenvolvimentismo no governo Juscelino Kubitschek, durante a 2 metade da década de 1950.

A alternativa que melhor apresenta esse dilema é:
a) os contrastes culturais e educacionais entre as elites paulistas e nortistas
b) a desigualdade política e ideológica entre as oligarquias nordestinas e sulistas
c) a defasagem histórica e tecnológica entre o setor petrolífero e o agroexportador
d) as disparidades econômicas e sociais entre os setores agrário e urbano-industrial

resposta: [D]

11. (UERJ) Varre, varre, varre, varre, vassourinha. Varre, varre a bandalheira, Que o povo já está cansado De sofrer desta maneira. Jânio Quadros é a esperança deste povo abandonado. (Nosso Século. São Paulo: Abril Cultural, 1980.)

Esse "jingle" acompanhou o candidato Jânio Quadros durante a sua campanha à presidência da República, em 1960. A letra sintetiza a seguinte política de resolução dos problemas da época:

a) a austeridade do governo e o controle dos gastos públicos conteriam a inflação e a corrupção oficial

b) a disputa de mercados externos e a ideologia nacionalista aumentariam o superávit comercial e a geração de renda

c) o atendimento à economia popular e à produção de alimentos baixariam o custo de vida e os gastos do governo

d) a defesa dos interesses nacionais e a adoção de uma política externa independente gerariam emprego e novas possibilidades econômicas

resposta: [A]

12. (PITÁGORAS) As figuras a seguir são referências para as respostas das questões abaixo.


a) A primeira foto acima é representativa de um político de estilo diferenciado. Trata-se de Jânio Quadros. Justifique por que esse político pode ser considerado diferente.


resposta: Jânio representa um modelo diferenciado nos quadros do populismo. É considerado por muitos um exemplo do político moderno. Com nuances de marketing político e frases de efeitos, além de imagens marcantes.

b) A partir da segunda imagem, explique como foi à política externa independente de Jânio Quadros.

resposta: Jânio procurou manter uma política externa independente se aproximando de países socialistas como a União Soviética, a China e de Cuba, que havia passado por uma revolução. A foto demonstra a aproximação do Brasil com Cuba através da figura do líder guerrilheiro Che Guevara, condecorado pelo presidente brasileiro.

13. (PUC-MG) A introdução do Parlamentarismo no Brasil República ocorreu num período marcado por grave crise política e significou:

a) tentativa para que se aprovassem rapidamente as reformas de base, parte importante do programa que o governo Jango queria implementar.

b) tendência para limitar o Poder Executivo, no momento em que o vice-presidente João Goulart assumisse o cargo após a renúncia do presidente.

c) desejo de reformular e até extinguir certas instituições, principalmente as que diziam respeito à previdência social, herdadas da Era Vargas.

d) intenção de diminuir os poderes excessivos do presidente Jânio Quadros e de impedir a manobra golpista, que o tornaria ditador do Brasil.

resposta: [B]

14. (PUC-MG) "Fui vencido pela reação e assim deixo o governo. Nestes sete meses cumpri o meu dever [...] Forças terríveis se levantaram contra mim e me intrigaram ou inflamam, até com a desculpa da colaboração [...] Assim não falta a coragem da renúncia [...] Retorno agora ao meu trabalho de advogado e professor [...]."

Fragmento da Carta Renúncia de Jânio da Silva Quadros - Manifesto à Nação. Brasília, 25 de agosto de 1961.Apud. Ivan Alves Filho. "Brasil, 500 anos em documentos". Rio de Janeiro: Mauad, 1999, p. 535.

A renúncia do presidente Jânio Quadros provocou no Brasil uma crise institucional que culmina com a:

a) ascensão ao poder do vice-presidente e a implantação do sistema parlamentarista de governo.

b) ação golpista desencadeada pelo alto comando militar para impedir a posse do vice-presidente.

c) convocação extraordinária do Congresso com a finalidade de emendar a carta constitucional.

d) mobilização imediata da sociedade civil, para exigir o cumprimento das normas constitucionais.

resposta:[A]

15. (PITÁGORAS) Analise a charge:

[APPE, O Cruzeiro, ano33, nº 52, 07/10/1961, em Renato Lemos, Uma História

do Brasil em Caricatura (1840 – 2001), RJ, Ed. Bom Texto,2001, p. 89.]

A charge acima ironiza a renúncia de Jânio Quadros à Presidência da República, em agosto de 1961, o que abriu uma crise institucional de grandes proporções.

Como resultado desse processo

a) um acordo para a posse do vice-presidente João Goulart levou a uma mudança constitucional com a criação do cargo de primeiro-ministro.

b) os chefes militares assumiram o poder por meio de um golpe justificado pela ocorrência de corrupção e pelo risco de o Brasil tornar-se uma “República Sindicalista”.

c) Getúlio Vargas, reeleito, reassumiu a Presidência da República com amplo apoio popular para desenvolver uma política de caráter nacionalista.

d) João Goulart, vice-presidente, foi obrigado a retornar, rapidamente, de uma viagem ao exterior para assumir a presidência da República, com apoio dos chefes militares.

e) desencadeou-se o golpe de 1964, instalando no país a ditadura militar, a qual perdurou até 1985, com a posse de José Sarney.

resposta: [A]

16. (Unesp) A renúncia de Jânio Quadros, em 1961, abriu um período de grande instabilidade política: havia aqueles que se opunham à posse do vice-presidente, João Goulart, e os que defendiam o cumprimento estrito da Constituição, que estipulava posse do vice em caso de renúncia ou morte do presidente.

a) Qual a saída política encontrada pelo Congresso Nacional para resolver o impasse?

resposta: A implantação do parlamentarismo, em 1961.

b) Caracterize o governo Goulart, do ponto de vista político.

17. (UFPEL) A charge demonstra que a conjuntura política de 1962 favorecia a João Goulart

a) antecipar a implantação do seu projeto parlamentarista.

b) reduzir a força do Poder Executivo, que lhe fazia oposição.

c) promover o retorno do presidencialismo (efetivado com o plebiscito de 1963).

d) derrubar as Reformas de Base, propostas pelo Parlamentarismo.

e) fechar o Congresso Nacional e governar por decretos.

resposta: [C]

18. (FGV) "(...) procurou implementar o Plano Trienal e reduzir as desigualdades regionais. Elaborado (...) pelo economista Celso Furtado, o plano pretendia deter a inflação sem diminuir o crescimento econômico. Para tal projeto, além de gastos públicos e das contenções temporárias de salários, previa-se a adoção de reformas de base (estruturas agrária, tributária, administrativa, bancária, eleitoral e educacional) que pudessem dinamizar a economia nacional.

(Flavio de Campos, "Oficina de História - História do Brasil")

O fragmento faz referência ao governo de

a) João Goulart.

b) Getúlio Vargas.

c) Juscelino Kubitsckek.

d) Jânio Quadros.

e) Eurico Gaspar Dutra.

resposta: [A]

19. Com bandas de musica, bandeiras de todos os Estados, centenas de faixas e cartazes, numa cidade com ar festivo de feriado, a "Marcha" começou na Praça da República e terminou na praça da Sé, que viveu um dos seus maiores dias. Meio milhão de homens, mulheres e jovens - sem preconceitos de cor, credo religioso ou posição social - foram mobilizados pelo acontecimento. Com "vivas" à democracia e à Constituição, mas vaiando os que consideram "traidores da pátria", concentraram-se defronte da catedral e nas ruas próximas.

Nas escadarias da catedral, sucederam-se os oradores. Às 18h50, a massa humana chegara à praça da Sé. E encontrou-a ocupada por uma multidão que acenava com lenços e bandeirolas. O senador padre Calazans ocupara o microfone antes da chegada dos manifestantes e voltou a discursar, após o primeiro orador - Sr. Amaro César - ter discorrido sobre os objetivos da "Marcha". Disse o reverendo: "Hoje é o dia de São José, padroeiro da família, o nosso padroeiro. Fidel Castro é o padroeiro de Brizola. É o padroeiro de Jango. É o padroeiro dos comunistas. Nós somos o povo. Não somos do comício da Guanabara,estipendiado pela corrupção. Aqui estão mais de 500 mil pessoas para dizer ao presidente da Republica que o Brasil quer a democracia, e não o tiranismo vermelho. Vivemos a hora altamente ecumênica da Constituição. E aqui está a resposta ao plebiscito da Guanabara: Não! Não! Não!".

As palavras finais do senador foram acompanhadas em uníssono pelos presentes. Depois, o Pe. Calazans lembrou que "aqui estamos sem tanques de guerra, sem metralhadoras. Estamos com nossa alma e com nossa arma, a Constituição".

(SÃO PAULO PAROU ONTEM PARA DEFENDER O REGIME, Folha de S.Paulo, sexta-feira, 20 de março de 1964)

a) IDENTIFIQUE o evento retratado pelo texto.

resposta: Marcha da Família com Deus e pela Liberdade.

b) CONTEXTUALIZE historicamente o evento.

resposta: A marcha acontece uma semana depois do Comício do presidente João Goulart na Central do Brasil, no Rio de Janeiro, ocasião em que anunciou as Reformas de Base (Reforma Agrária, administrativa, fiscal, entre outras). Foi uma reação da classe média conservadora que temia uma revolução socialista no país. Ela contribuiu para a formação de um clima favorável ao golpe de 31 de março de 1964 na medida em que justificou, com apoio popular, a iniciativa dos militares.

20. (ENEM) A moderna democracia brasileira foi construída entre saltos e sobressaltos. Em 1954, a crise culminou no suicídio do presidente Vargas. No ano seguinte, outra crise quase impediu a posse do presidente eleito, Juscelino Kubitschek. Em 1961, o Brasil quase chegou à guerra civil depois da inesperada renúncia do presidente Jânio Quadros. Três anos mais tarde, um golpe militar depôs o presidente João Goulart, e o país viveu durante vinte anos em regime autoritário. A partir dessas informações, relativas à história republicana brasileira, assinale a opção correta.

a) Ao término do governo João Goulart, Juscelino Kubitschek foi eleito presidente da República.

b) A renúncia de Jânio Quadros representou a primeira grande crise do regime republicano brasileiro.

c) Após duas décadas de governos militares, Getúlio Vargas foi eleito presidente em eleições diretas.

d) A trágica morte de Vargas determinou o fim da carreira política de João Goulart.

e) No período republicano citado, sucessivamente, um presidente morreu, um teve sua posse contestada, um renunciou e outro foi deposto.

resposta: [E]


Um comentário: